Pular para o conteúdo principal

Caos em SP e livro do Dan Brown

Ontem (segunda), fiquei trancada em casa por causa do panico em SP. Foi uma coisa bem surreal e chocante, saber que os bandidos do PCC estavam metralhando carros, incendiando onibus e atacando policiais em plena luz do dia. A tv, a Internet e o radio só serviram pra uma coisa: me paralisar totalmente!! (hehe) Eu acabei entrando em panico tambem, mas por excesso de informacao!! (haha).

A ultima vez que me senti assim, tao mal, tao desanimada / revoltada com o mundo, foi no dia dos ataques ao World Trade Center, em 11 de setembro de 2001. Eu trabalhava na redação do Diario de Sao Paulo, e estava lá, com os jornalistas, e era muito inacreditavel assistir aquilo tudo pela TV e pensar: meu Deus, isso está acontecendo mesmo??

E as noticias chegavam da Reuters e da AP, todas em tom de comoção, revolta, panico, desinformação. Até hoje lembro dessa sensação de aperto no coração, de descrença no ser humano. É algo que acaba te colocando numa parede, num beco sem saida, porque é irracional demais para aceitar racionalmente. Voce simplesmente pega e trabalha com isso, sem racionalizar. Se pensar demais, a pessoa fica maluca!!

Aqui no Brasil, todos dizem que temos um "povo gentil e alegre", mas o que eu vejo é uma panela de pressao, que uma hora, vai estourar. Nessas horas eu me pego pensando: de que adianta todo esse meu trabalho voluntario? Estou mesmo ajudando a construir um Brasil melhor, mais justo? O que a gente pode fazer para mudar essa situação de caos social, onde poucos tem muito e a maioria nao tem nada?

Fico pensando o que sente um cara jogado dentro de uma cadeia podre, com capacidade para 700 pessoas (e abrigando 1400), apanhando todo dia, e vendo pela TV que um assassino confesso como o Pimenta Neves está solto, só porque tem um bom advogado. Imagina a raiva que esse cara deve alimentar dentro da alma dele?? Imagina o poder de toda essa energia negativa represada?? Só podia mesmo resultar em algo ruim.

Os bandidos que matam policiais na rua, de modo covarde, desumano e barbaro, sao reflexo de que algo anda muito errado na nossa sociedade. Nao adianta trancafiar os presos (pobres) na cadeira. Nao adianta distribuir esmola. O povo nao quer esmola. Ele quer trabalho, quer saude, quer educacao. Quer respeito.

Bom, só pra descontrair um pouquinho, adoro ler, e agora estou lendo o meu primeiro livro do Dan Brown: PONTO DE IMPACTO. Confesso que tinha um certo preconceito com ele, mas o livro até que é bem legal e interessante. Acho que o proximo vai ser O Codigo da Vinci. Sim, confesso, ainda nao li. Devo ser uma anomalia...eu vou assistir o filme antes de ler o livro!!!

Bom, Ponto de Impacto conta a historia de um objeto escondido nas geleiras do Ártico, que é descoberto por um satelite da NASA. A analista de inteligência Rachel Sexton, da NRO, vai investigar o caso. E ela conhece uma equipe de pesquisadores, mas eles descobrem que as coisas nao sao assim tao perfeitas. Daí eles tentam avisar o presidente dos EUA sobre suas suspeitas, mas sao perseguidos por assassinos da Força Delta. Beijos, ate mais. Erika

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…