Pular para o conteúdo principal

Dias super-hiper agitados


Puxa, tive um fim-de-semana repleto de emocoes...começou na sexta-feira, porque teve niver da Fa no bar ReyCastro, muito legal e animado. Antes, ainda na sexta, fiquei até tarde no Centenario trabalhando, pra depois ir na baladinha. Alias, descobri que nao sou workaholic. Sou worklover. Pelo menos de acordo com a Voce S.A. desse mes. ^.^

No sabado, logo de manha cedo bem cedinho, Ikoi-no-Sono era o destino de um grupo de jovens e abnegados voluntarios. E lá fomos nós, preparar o Bingo do Bazar do Ikoi. Separar cartela, remexer coisas empoeiradas, quebrar a cabeça com questoes do tipo "o que é melhor, um relogio ou uma bonequinha??", essas coisas basicas que ocupam a cabeça dos bingueiros. Assim, ficamos lá até umas 16 horas.

Na volta, pra ajudar o Ikoi, comprei coisinhas na barraca de frutas e verduras, que alias tinha voluntarios muito legais e simpaticos: morangos apetitosos por R$ 1,50 a caixinha (comprei 4 por R$ 5 - hihi), nésperas amarelinhas e uma atemóia enorme. Já provei de tudo, uma delicia!! Fruta é tudo de bom!!

E no sabado de noite, fui assistir o filme "Zuzu Angel", no Sta Cruz. Acho que esse foi um dos filmes que mais me emocionaram até hoje. Saí da sala do cinema e nao conseguia andar direito, de tao atordoada e sensibilizada pela historia. É muito emocionante toda a luta da Zuzu Angel, uma mae que só queria enterrar o filho, ela só queria a verdade, puxa vida...

A visita que ela faz ao pai do Lamarca é de uma sensibilidade humana incrivel. Naquela cena rapida, eu confesso que chorei. As cenas com a Elke (Luana e de verdade) tb sao muito belas. Quase no final, quando o Stuart carrega a mae no colo, puxa, é muito bonito. E o final mesmo é de uma brutalidade ímpar, nao só pelo fato em si, mas principalmente pela impunidade, porque sabemos que ninguem foi condenado por crimes brutais na ditadura.

O que me deixa ressabiada é que muitos "criticos" de cinema meteram o pau no filme, nas criticas publicadas em jornais e revistas. Disseram que é um filme piegas, com elenco global, sem consistencia. Puxa, mas eu nao vi nada de piegas no filme. Eu vi uma historia muito bem contada, com um elenco surpreendente. Os militares nao sao os monstros malvados e inumanos que aparecem nos outros filmes, sao personagens com nuances e caracteristicas proprias. A Zuzu Angel de Patricia Pillar, na minha opiniao humilde e nao-tecnica, está fantastica. Mais e mais brasileiros deviam assistir filmes como esse.

Bom, e pra completar meu relato de fim-de-semana, ontem (pleno domingao) acordei bem cedinho pra ir no Bazar do Ikoi-no-Sono, junto com mais 25 destemidos voluntarios. Fizemos um lindissimo trabalho em prol do Ikoi, e tenho certeza que os velhinhos e velhinhas do Ikoi-no-Sono reconhecem nosso carinho, e o amor que colocamos em tudo isso que nós fazemos. Trabalhamos pra caramba, mas com muito amor, pensando sempre no bem desses odityans e obatyans, que podiam ser nossos avós e avôs na mesma situacao. Em suma, ainda existe esperança no mundo, enquanto existirem pessoas como a gente. Beijos. Uma otima semana!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…