Pular para o conteúdo principal

Sessão pipoca e choro

Ontem assisti ao DVD “A Vida Secreta das Palavras” com o Tim Robbins e a Sara Polley. Meu Deus, como eu chorei no final, uma vergonha, ainda bem que estava sozinha. E ainda bem que não fui assistir no cinema! Tenho um sério problema, porque choro com os filmes mais bobos possíveis, então não dá pra ir no cinema pra ver os filmes que eu acho (ou sei) que vou chorar assistindo...hahahahaha...um mico.

Hoje estou sozinha depois de muito tempo (namo foi viajar e eu fiquei em SP). Então aproveitei pra acordar tarde, trabalhar bastante, assistir Bleach (a saga dos bounts está muito demorada), e também aproveitei para assistir um dorama novo no YouTube – Last Friends. A musica tema é Prisioner of Love, da Utada Hikaru.

A novela ainda está passando no Nihon, nooosssa, é uma historia muito cativante. A menina é bonitinha, boazinha, quietinha, trabalha pra caramba, e tem um namorado que parece bonzinho. Parece, mas não é. Ele é o próprio diabo em pessoa! Ele bate nela e machuca, atira as coisas em cima dela, empurra, chuta, tenta atirar uma cadeira na moça. Coitada! Dá muita dó de ver essas cenas!!! Muita dó da menina!!!

Dorama do Japão é tudo assim, você se emociona mesmo, toma o partido da personagem, fica torcendo pra tudo dar certo. Na ultima cena que eu assisti, a amiga da Michiro entra na frente pra salvar a menina. É o que o telespectador sentia vontade de fazer desde o primeiro capitulo. Coitada da Michiro!

E pior, existem tantos casos de violência doméstica no mundo, inclusive aqui na casa vizinha da minha casa. Ultimamente o vizinho idiota e covarde parou de gritar com a esposa, mas eu sempre presto atenção. Porque essas pessoas são “prisioneiras do amor”, como a musica da Utada. Não dá pra entender, não é mesmo? Bjs

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…