Pular para o conteúdo principal

Retornando...

Nossa, faz muito tempo que não escrevo no meu blog! A vida está super hiper agitada e não sobram meus valiosos minutinhos para compartilhar meus pensamentos humildes. Bom, desde meu ultimo post, eu:


- assisti Slumdog Millionaire (achei o filme bobo, mas os atores principais muito bons)

- conheci o Ney Matogrosso no Pavilhão Japones!

- fui sozinha no karaokê pra cantar um pouquinho (minha técnica de relaxamento)

- pisei no meu óculos e quebrei-o-o * prejuízo de R$ 200!!!

- organizei um jantar pras amiguinhas e amigos

- fiz muita shokudai * lição de casa do nihongo (muito MESMO)

- participei de varias reunioezinhas, todas pouco, mais ou menos, ou nada eficientes

- votei em mim mesma no Conselho - e nao votei nas pessoas que nao merecem

- fechei detalhes do Bazar do Bem 2009 – 23 e 24 de maio e 13 e 14 de setembro!!

- trabalhei bastante!!

 

Em resumo, a vida está corrida, mas eu estou numa boa!! Agora, quem não está numa boa - e segue chafurdando - é o Centenario. Que matéria ridícula saiu no SP Shimbun de ontem! É (muito) mais fácil apontar o dedo e procurar um culpado do que assumir os próprios erros, não é mesmo, prezados senhores velhinhos? E tenho mais revolta porque falam mal do William, e eu sou testemunha, ele se esforçou de coração pela festa do Centenário, colocou toda a equipe dele pra trabalhar, e não merece essa ingratidão. Em resumo, mais do mesmo. Eu estou absolutamente de saco cheio dessa falta de gratidão.


E hoje fui de manha na feira comer pastel na barraca da Cris. Caldo de cana com pêssego, pastel de calabresa, tudo perfeito. A experiência teria sido maravilhosa, não fosse um detalhe. Tinha um bando de molequinhos que moram na favelinha do lado da vila mariana lá na feira, pedindo pra comprar pastel pra eles. Eu, sinceramente, teria comprado numa boa. SE não tivessem vindo 5 meninos pedir e me encher o saco.


Daí você vê a diferença de pensamento, porque apareceu um cara com jeito de rico que pagou pastel pra todos os molequinhos. Acho que ele deve ter gastado uns R$ 15 nisso. E eu pensei: nosssa, esse cara deve sentir muita culpa social, pra fazer isso. Porque eu sinceramente, acho que faço a minha parte, e não tenho que ficar pagando pastel pra moleque folgado pra aliviar minha tal “culpa”.  Eu já faço trabalho voluntário em proporcao suficiente pra achar que eu faço a minha parte.


Se fosse eu, e se eu não tivesse dinheiro pra comprar pastel, das duas uma: ou eu trabalhava pra comprar um pastel ou eu passaria vontade e não comeria pastel. Acho que fui criada assim, eu penso assim.  Será que é um traço da cultura japonesa? Eu jamais pediria algo na rua. Mas muita gente acha mais fácil pedir do que se esforçar.


E isso é muito ruim pra consciência coletiva de um povo, de uma nação. Não é pedindo e reclamando que você consegue as coisas na vida. É se esforçando e trabalhando, é fazendo gaman (sacrifício) e se dedicando. O governo brasileiro não ensina isso pras pessoas em geral. E isso não é bom para nosso futuro como um País. Daí fica esse povo todo apontando o dedo pro governo, pros políticos, pra tudo. Menos pra si mesmo. Bjs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…