Pular para o conteúdo principal

Insanidade coletiva

Sabe, quando eu penso que a comunidade chegou ao fundo do poço, eles conseguem dar um jeito de cavoucar um pouco mais e ir mais fundo no buraco. É inconcebivel o que está acontecendo. Recebi um telefonema do meu sempai super mestre M com um pedido muito singelo: pagar minha contribuicao 2010 para a entidade X.

Muito estranho, primeiro, porque estou em dia com as minhas contribuicoes para a entidade, e por isso, teoricamente, tenho até o final de 2010 para pagar minha contribuicao (isso se eu quiser contribuir, concorda??? E estamos em janeiro!!!). Mas o mais estranho é um sempai, uma pessoa que eu admiro tanto, ter que ficar fazendo ligacoes para os amigos, pedindo como um favor pessoal para a gente adiantar uma contribuicao que deveria ser voluntaria.

Logico que nao vou ignorar o pedido do meu amigo-mestre-sempai. O esquema de pressao social é muito bem administrado nesse sentido. Mas devemos nos perguntar, porque a entidade faz uma pessoa tao iluminada e ocupada como meu sempai gastar o telefone pessoal dele para ligar para o meu celular e de outros amigos, para pedir para eles continuarem contribuindo para a entidade X??

Eu sei que já tive o mesmo amor que meu mestre pela entidade X e que passava meus dias e fins de semana enfurnada na sala da entidade X pensando em mil maneiras de melhorar essa entidade. Nao estou renegando minha propria historia, só que acabei cansando dessa luta quixotesca.

Entidade nikkei é um SACO nesse sentido, porque querem que o jovem faça isso, faça aquilo, e na verdade, já pararam pra pensar "pra quê" fazer isso ou aquilo? Hoje eu tenho consciencia disso, mas já dediquei tempo para "n" causas que nao mereciam tanto assim o meu tempo, dedicacao e amor. As pessoas estao ligadas no "automatico" e nao refletem sobre suas proprias ações.

Hoje, se faço as coisas que eu faço, nao é por pressao social, e sim por realmente acreditar que estou fazendo o que é correto, e danem-se os velhinhos (no bom sentido do termo, se é que existe). Eu faço o que acredito e dou um jeito de ir contornando as necessidades egolatricas dos velhinhos. Eles falam, eu escuto, e a opiniao deles sai pelo outro lado. Na maioria das vezes, dá certo. Quando nao dá, eu me resigno e esqueço a questao, porque velhinhos sao velhinhos e nao vao mudar sua cabecinha de velhinhos.

Uma insanidade que nao consigo compreender no meu humilde cerebro é como o presidente de uma entidade Y vai na reuniao com os presidentes de outras entidades, para pedir uma contribuicao (kifu) para essas entidades. Primeiro, as proprias entidades lutam com todas as forças para sobreviver, ninguem tem dinheiro sobrando. Segundo, a entidade Y nunca fez nada pelas entidades que receberam o pedido.

Com que direito o presidente vai lá de terninho, acompanhado pelos assessores, para fazer esse pedido tao ignobil e sem sentido? É uma insanidade, uma maluquice tamanha, um anacronismo de uma cultura que já morreu. Nao dá pra entender como o proprio presidente nao percebe que isso reduz a credibilidade e mancha a reputacao da entidade. Ou está fora da realidade, ou muito mal assessorado. Mal assessorado mesmo, pq tinha jornalistas lá e a historia vai aparecer na midia.

Velhinhos, hoje em dia, com essa crise toda, saibam que o mundo mudou. As pessoas nao fazem kifu (doação) para causas em que nao acreditam só porque alguem pediu (ou mandou). É preciso mostrar onde o nosso rico dinheirinho está sendo investido, é necessario mostrar porque a entidade deve ser ajudada, é necessario comunicar com responsabilidade. EU pessoalmente preferia doar meu dinheiro para salvar as baleias do Artico do que salvar o elefante X. Mas como meu mestre iluminado pediu, vou fazer a doação. Contrariada. Revoltada. Mas vou fazer. Bjs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…