Pular para o conteúdo principal

Terremoto no Japão - como ajudar

Ontem até tentei desligar dos acontecimentos no Nihon. Fui passear no shopping e tentei me distrair um pouquinho… daí voltei mais tarde pra casa e fiquei assistindo as noticias na NHK e na TBS. 

Sabe... eu não vou conseguir encontrar em lugar nenhum da Internet a imagem que mais me emocionou na cobertura de ontem, por isso vou contar e tentar transmitir todo aquele sentimento.

Era um grupo de velhinhos que estava isolado pela água e tinha sido resgatado pelos soldados japoneses depois de 2 dias. Eles estavam chegando e reencontrando as famílias. E uma velhinha linda, toda pequenininha, chega para a família dela, abraça eles e fala chorando, “心配をかけてごめんねえ。。。” (shimpai wo kakete gommen ne - desculpe por ter preocupado vocês...). Aiii...nesse momento...como eu chorei.

Lógico, em palavras é super difícil descrever aquele abraço (nesse momento as palavras não contam muito), mas a alegria da obassan, a emoção da família, as lagrimas nos rostos de todos, o sentimento, tudo aquilo foi muito emocionante e sincero. Queria estar lá naquele abraço. Foi um milagre eles terem sobrevivido. Foi um milagre terem sido resgatados. Espero que mais e mais milagres aconteçam.

Que fique absolutamente registrado também que nesse mundo inteiro, acho que só um japonês mesmo para, depois de 2 dias isolado, ser resgatado e pedir desculpas aos socorristas por ter dado tanto trabalho. Isso é essencialmente ser japones.

E a TV japonesa registra tantas historias. Da mãe que saiu correndo com o filhinho nos braços, do odissan que perdeu a esposa, da mãe que perdeu a filhinha. Todas historias tristes que nos comovem. Assim como nos comovem muito as historias das enchentes no Sul. Que coisa mais triste.

Hoje me ligou aqui no Kenren (além de um mooooooooooooonte de jornalistas), uma professora de ensino fundamental lá de Minas Gerais. Ela disse que os alunos estão super tristes com as noticias do terremoto e do tsunami, chorando porque tem uma aluna que tem parentes em Miyagui e que eles querem ajudar de alguma forma.

As crianças querem escrever cartinhas e enviar desenhos para alegrar o pessoal atingido pelos terremotos. Não é uma coisa linda?? A humanidade é uma coisa linda (de vez em quando). E acho que foi Deus quem colocou a ligação dessa professora na minha mão, porque se tivesse ido pra outra pessoa, teriam simplesmente declinado. Falei pra ela mandar os desenhos, depois enviamos para o kenjinkai Miyagi e pronto. Mais uma boa ação.

Outra boa ação é doar recursos que serão enviados para a campanha SOS Japão. Os velhinhos são muito atrapalhados, mas tem bom coração. Amanhã teremos uma conta oficial para a campanha.

Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil 
Banco do Brasil 
Agência 1196-7 
Conta corrente 29.921-9 
CNPJ - 46.568.895/0001-66 

Informações: 
E-mail: info@kenren.org.br  
Telefones: (11) 3277-8569 / 3277-6108 / 3399-4416 
Fax: (11) 3207-5224 
Site: www.kenren.org.br  

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CULTURA JAPONESA E DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -BUNKYO 
CNPJ: 61.511.127/0001-60 
BANCO BRADESCO 
Agência: 0131-7 
Conta Corrente: 112959-7 

BENEFICÊNCIA NIPO-BRASILEIRA DE SÃO PAULO – ENKYO 
CNPJ: 60.992.427/0001-45 
BANCO BRADESCO 
Agência: 0131-7 
Conta Corrente: 131.000-3 


E no dia 17 de março (quinta-feira), vai acontecer o Culto Ecumênico em memória às vítimas dos terremotos no Japão, às 10 horas, no Grande Auditório do Bunkyo.

Culto Ecumênico em memória das vítimas dos terremotos no Japão

Participação de representantes religiosos budistas, católicos e evangélicos

Data:  17 de março (quinta-feira)
Horário: 10h00
Local: Grande Auditório do Bunkyo
Rua São Joaquim 381 Liberdade - São Paulo / SP

Conto com sua presença. Obrigada e bjs!

Comentários

  1. Erika, publiquei os dados para doação no blog. Espero que ajude.
    Bjs
    Lidi

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…