Pular para o conteúdo principal

Lealdade

Pleno sabado a tarde, acordei (atrasada) as 8 da manhã pra trabalhar no evento, peguei táxi pq nao ia dar tempo de chegar de metrô, trabalhei bastante, comi depois do evento e cá estou eu, 14 hs da tarde de sábado, sozinha no escritório. Inclusive, provavelmente estou sozinha trabalhando neste andar. Essa é a vida de organizar um lindo e maravilhoso evento. E olha que eu nem aproveito o próprio evento que organizamos ho ho ho...

Esses dias nao tenho tempo pra fazer exercicio, mas pelo menos tento andar um pouco de um escritorio pro outro, senao vou ter um piripaque nervoso. E nesses pequenos passeios, sempre vejo uma senhorazinha que mora na rua, junto com seus cachorros. Desde que eu morava aqui no bairro, acho que desde que eu fazia faculdade eu lembro dessa velhinha andando pelas ruas do bairro, com seus cachorrinhos.

Cachorro é um animal fantastico, né? Ele nao quer saber quem você é, o que você é, se você tem roupas bacanas, quanto você tem no banco. Ele decide que te ama e PRONTO, simples assim. Seja você quem for, seu cachorrinho sempre vai te amar. Bom, essa velhinha tinha uns 4 cachorrinhos. Eles eram companheiros dela na rua. Daí diminuiu pra 3. Depois, vi ela com dois cachorrinhos. Da ultima vez, ela estava sozinha, semana passada mesmo.

Nossa, o meu coração ficou pequenininho quando eu vi ela, toda encolhidinha, sentada num banco feito de caixa de madeira, sozinha na rua, jogada num canto. Cade os cachorros da senhorinha? O que aconteceu? Será que levaram os cachorrinhos dela? Será que morreram? Será que alguém pegou? Será que alguém está tomando conta deles pra ela? A solidão mais dificil deve ser essa. Ter um companheiro e de repente, ficar totalmente sozinho. E ninguem se importar com isso.

E eu sou uma pessoa tao besta e tão ocupada, que ao invés de fazer alguma coisa pela velhinha, vim trabalhar porque estava atrasada. E sei lá, centenas de pessoas devem passar por ela todos os dias. Alguem fez alguma coisa por ela nesse tempo todo, nesses anos e anos que eu a vejo? Nao. Eu admito, nao fiz nada por ela. Ela vive como se fosse um ser invisivel, nessa psicopatia insana que vivemos todos os dias no Brasil.

Eu sinto que a gente falha com cada criança que está na rua. Cada velhinho que está morando na rua, passando frio nesse inverno horrivel. Eu sei que não dá pra resolver os problemas do mundo, mas é tudo muito injusto. Nessas horas eu penso: todo o bem que eu tento fazer pelo mundo, será que algum dia ele vai chegar nessa velhinha?? Será que o bem que eu tento fazer é o bem que o mundo realmente precisa? Porque faz anos e anos que ajudo a comunidade nikkei. Vi alguma melhora no mundo? São questoes que realmente me fazem pensar. Mas agora, infelizmente, tenho que voltar ao trabalho. Bjs.

Comentários

  1. Oi Erica,

    Achei por "acaso" seu blog. vendo coisas do bunkyo.

    Gostaria de saber como está a velhinha, sei que não podemos fazer muito, mas ao sair poderia perguntar sobre os cachorros, e se realmente morreram, existem tantos para doação buscando amor, que certamente essa senhora precisa dar e receber. Mesmo sem dinheiro, pq o amor desses cães alimentam a alma.

    Imagino como deva ser corrida sua vida, desejo a você, que este ano você tenha mais tempo para você.

    Obrigada,
    Alessandra Fleury

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…