Pular para o conteúdo principal

Jornalismo mundo cão

Essa semana teve uma noite em que eu nao consegui dormir. Fiquei muito, muito mal por causa de uma noticia que eu inadvertidamente assisti no Jornal da RedeTV, da menininha chinesa atropelada 2 vezes e que faleceu essa semana no hospital. Eu já tinha visto o link do atropelamento em varios portais mas simplesmente optei por nao assistir, porque eu sabia que me faria mal, pq eu me conheço, pq eu sou muito boba para essas coisas.

Entao fui pra minha aula, voltei pra casa, liguei a tv e fui jantar. Enquanto estava jantando, tive o desprazer de ser literalmente invadida por essa noticia que eu passei o dia todo evitando. A apresentadora nem pra avisar que eram imagens fortes, que poderiam chocar o telespectador. Nao deu tempo de pegar o controle e desligar a TV. Eles simplesmente invadiram minha casa com cenas horriveis que, infelizmente, nunca vou conseguir apagar da memoria. Estragou meu jantar, nao tinha como, depois daquilo, apreciar uma refeição.

Chorei muito por causa dessas cenas, mesmo sabendo que nada que eu faça vai ajudar a menininha ou as crianças que sofrem na China, porque mesmo as crianças que sofrem no BR, infelizmente, nao consigo ajudar com o meu trabalho. Se somos todos parte de uma mesma humanidade, eu sofro mesmo por quem eu nao conheço. Mas o que queria colocar hoje é meu descontentamento com a profissao que eu escolhi. Cada dia que passa sinto que tenho menos respeito pela nobre profissão de jornalista. Porque o editor nao tinha o direito de colocar aquelas cenas no ar. Aquilo nao é denuncia, aquilo nao é noticia, aquilo é uma maldade inominável, algo que precisa causar reflexão para o povo chines, não vender jornal ou aumentar o ibope. Que conceito distorcido é esse?

Da mesma maneira, essa semana as cenas do Gaddafi morto e ensanguentado estao em todos os portais, todos os telejornais, todas as revistas. Na minha análise critica, ele podia ser um ditador, tirano, assassino, mas era um ser humano, que nao merece ser exposto assim em rede mundial, em tempo real. É desrespeitoso com o ser humano, uma violação com a religiao islamica, com os conceitos de diplomacia e reciprocidade. Será que os jornalistas que trabalham com essa cobertura nao entendem algo tao simples?? Será que eles acham realmente que a humanidade precisa ver aquelas cenas de barbárie?? Em que isso nos faz melhores do que os terroristas??

Tem um conceito de comunicação que diz o seguinte: quanto mais as pessoas sao expostas aos estimulos, mais elas se acostumam ao estimulo, e por consequencia, diminuem a resposta, vão se acostumando com o que é colocado, tanto pela imprensa, pelo governo ou por tiranos. Exemplificando, se o jornal publica pela primeira vez a foto de uma pessoa morta, isso vai chocar os leitores. Se amanhã o jornal publicar de novo, a foto vai chocar menos e menos, com o passar do tempo, e assim vai. Isso cria pessoas anestesiadas, entorpecidas, que não se escandalizam mais com o que deveria provocar escandalo e revolta. Alias, o proprio termo "escandalo" caiu em desuso, pq tem escandalo novo todas as semanas. O que será do nosso Brasil?? Bjs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…