sexta-feira, fevereiro 14, 2014

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, quem vai para Gramado acaba querendo voltar. É verdade! Rsrs...eu quero voltar e levar a família toda!


A sensação que eu tive visitando Gramado se equipara a quando eu morava no Japão. Lá voce tem a sensação de segurança muito forte e pode andar na rua sem medo, mesmo sozinha, de madrugada, em qualquer lugar.


Bom, hoje existem alguns crimes no Nihon tambem, porque estamos num mundo globalizado e crimes acontecem no Japão, mas em proporção muito diferente do Brasil, onde 50 mil pessoas são assassinadas todos os anos. Sentia saudades dessa sensação muito reconfortante. Mas lá no Japao, as pessoas nao tem muita liberdade. Ou seja, nada é perfeito. =p


Dai eu saí de Gramado e vim para Porto Alegre (está mais para 'Forno Alegre'). Já na rodoviária voce nao se sente seguro. No taxi, o taxista fala que não é para você sair de noite perto do hotel (é perigoso). No hotel, o moço fala pra voce tomar cuidado. Indo para o shopping, o taxista fala que nao é pra ficar na orla de noite (logico, porque é perigoso). E voce acaba achando que tudo é "meio perigoso". E fica isolado nos enclaves fortificados, nas prisões que nos encarceram diariamente.


Viver é perigoso! Eu provavelmente nao iria andar na orla do rio Guaiba, nao pela falta de segurança, mas por causa do calor infernal que faz nessa cidade, que é absolutamente horrível, muito pior que SP. Nunca senti um calor tao chato como esse.


Lógico, eu nao sou (nada) boba, e tanta recomendação dos taxistas me fez repensar meus passeios e por isso, fui para o shopping climatizado e fresquinho. Pelo menos aqui nao teve rolezinho (hahaha). E no final, quando eu estava pegando avião de volta, começou a chover. Graças a Deus, porque nao é possivel as pessoas sobreviverem ao calor de POA!


O ponto é, até quando vamos viver nessa situação? Eu imagino que poderia morar no Japão, nos EUA, em qualquer lugar do mundo. Poderia morar em Gramado (rsrsrs), mas o Brasil está numa situação muito dificil em termos de (in)segurança publica. Como podemos consertar isso? Eu amo o Brasil, mas nao consigo aceitar as notícias que vejo na TV todos os dias. Penso nisso e não chego numa solução. Será que existe alguma solução possivel? Bjs.

Nenhum comentário:

Postar um comentário