Pular para o conteúdo principal

Vivendo num mundo sem amor

A gente recebe e retribui o amor que acha que merece. Eu acredito nisso. E fico muito triste e assustada com as noticias de violência assoladora que acompanho todos os dias. Sim, eu digo que não sigo mais as noticias, que não leio mais jornal, porém, sou jornalista, e por mais que as noticias sejam sempre as mesmas (ou piorem a cada dia que passa), acabo acompanhando de longe. Sempre muito chocada. Sempre triste.

A moça que foi assassinada pelo namorado em Curitiba, a outra no Rio, outra em Sao Paulo. O medico nikkei, o menino Bernardo, a Claudia, o Amarildo, o DG, o Brian, a Mercia, a Taina, entre tantos e tantos casos que nao dá nem pra citar aqui. Todos os dias, parece que o crime é cada vez mais banalizado, a violencia impregnou nosso dia a dia, fez o mundo ficar mais escuro e brutal. Eu amo o Brasil, mas tem horas que perco a esperança em ficar aqui e ajudar as pessoas.

Esses dias a minha amiga falou de meninos da febem. Como ensinar amor para alguém que nunca foi amado, nunca foi desejado? Como é a existência de alguem que está cheio de ódio, raiva e coisas ruins por dentro? Alguem que quer machucar o outro, simplesmente porque foi machucado?  Como podemos consertar isso?

Penso que talvez exista uma espécie de loucura generalizada que está assolando o Brasil, pq a violência está crescendo assustadoramente, em todos os níveis, resultado da falta de respeito pela vida, pela familia e pelas pessoas. E infelizmente, na minha opiniao, jornalistas e a midia tem a sua (ampla) parcela de culpa nisso.

Porque quando a gente, jornalista profissional, faz uma matéria sensacionalista sobre o maluco criminoso que algemou a namorada, atirou e matou ela e depois tentou se suicidar, estamos sem querer alimentando idéias perversas e fantasias tresloucadas na cabeça de gente fraca, instável e desequilibrada. 

Porque a TV é um meio que nao tem filtro, atinge qualquer um que esteja com o aparelho ligado. Por isso é necessario ter mais responsabilidade! Contextualizar a noticia, mostrar todos os lados. Procurar um especialista dizendo que esse tipo de gente é doente e precisa se tratar com urgencia. E tb mostrar que mulheres nao podem e nao devem tolerar relacionamentos abusivos. Enfim, estamos criando uma geração de pessoas frageis, descontroladas (e emburrecidas).

Uma pesquisa do SESC mostrou que 93% dos entrevistados nao tem interesse em assuntos culturais. 71% nunca foram ao teatro, 61% nunca entraram em um museu e 58% não leram um livro nos últimos seis meses. Desse jeito, fica dificil fazer milagre. A TV acaba sendo um meio de "educação" para o povo, cumprindo um papel que a escola e a familia nao conseguem cumprir.

O problema é quando uma novela das nove tem caras de 40 anos nojentos, com idade mental de 12. Cenas de estupro e humilhação em horario nobre. Mulheres que se permitem ser pisadas, massacradas, machucadas por homens abusivos. E trata-se de uma "obra de arte" assistida por 20 milhões de pessoas, perpetuando preconceitos e destilando uma ideologia de culto à violência. Cadê o amor nesse Brasil tao lindo? Tem coisas que simplesmente nao entendo. Espero que amanha acorde mais esperançosa. Bjs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…