sexta-feira, novembro 24, 2017

Pele radiante, cabelo brilhante!

Hoje estava em uma reunião de trabalho e a moça da empresa me puxou de lado (bem séria) na sala da diretoria e eu achei que fosse algo grave. Fiquei preocupada. Dai ela veio e me disse: "vem cá, qual o seu segredo? A sua pele está radiante! Vc está mais bonita do que na última reunião! Seu cabelo está brilhando! Me conta, oque vc fez??". Eu fiquei sem palavras hahahaha! Ganhei o dia!

Genteee, eu juro que não fiz nada! Eu juro! Kkkkkkkk! Falei pra ela dos produtos que eu uso (Shiseido porque estou chique - pelo menos enquanto durar o estoque), que eu passo protetor solar todos os dias (Biore 50) e tomo bastante água. Só isso! Eu não fiz peeling nem cirurgia! Juro pra vcs!

Do meu cabelo é até mais engraçado, pois estou cuidando em casa! Aboli o salão mensal porque o salário não dá conta de tanta despesa, então abri uma minifilial do Ikesaki na minha casa! Quando eu vi uma entrevista de uma atriz da Globo que corta o cabelo em casa, me deu um clique! E comecei a cortar as pontinhas em casa. E retocar a tintura, fazer hidratação, tudo no conforto do meu lar querido lar.

Se tem uma explicação que eu posso dar para estar mais bonita, a mais verdadeira é que eu realmente me sinto mais bonita hoje. Finalmente aceitei quem eu sou, como eu sou, sei que eu sou a única Erika Yamauti que vai existir nesse mundo, e tenho procurado me cuidar com mais carinho, como eu trataria outra pessoa. Porque a gente tende a tratar melhor aos outros do que a nós mesmos. Mas o amor maior deve ser a si mesmo! A partir do momento em que eu me aceito 1000%, a vida fica mais feliz, leve, tranquila e bonita!

No final da reunião, eu falei novamente dos produtos que uso (porque a moça não desistiu e perguntou de novo) e nos despedimos. E vim embora com a feliz sensação de que estou fazendo as coisas muito certas! Porque a reunião foi para falar de um dos projetos mais importantes da minha vida (pelo menos até o momento), e fomos super bem recebidos, com carinho e reconhecimento. E ainda fui elogiada pela minha presença: mais do que ser "bonita", eu procuro mesmo ser uma presença luminosa sempre que possível. E continuo no meu caminho, encantando as pessoas (com minha pele radiante e cabelo esvoaçante hehehehe...). E você, como está? Já foi elogiado hoje?


quarta-feira, novembro 22, 2017

20 anos de muito trabalho voluntário!

Eu confesso que achei que a festa tinha sido até cancelada, porque ninguém mais falou sobre (rsrsrs), mas será nesse sábado a festa de 20 anos do Seinen Bunkyo! 

A Comissão de Jovens do Bunkyo começou em 1997, fundada pelo Marcelo Hideshima e uma grande equipe. Eu entrei em 1998, mais ou menos na época da Festa do Verde, que é em setembro. Quem diria que aqueles primeiros eventos como voluntária me fariam chegar até aqui hoje? 

Dizem que o único lugar onde sucesso vem antes de trabalho é no dicionário. E eu concordo absolutamente com isso, porque nesses 20 anos, a gente trabalhou muito! Ralamos pra caramba, com todo tipo de evento que você possa imaginar. A minha primeira participação foi na Festa do Verde, limpando mesa, carregando caixa, atendendo o público. A gente era especialista em bingo e baiten (venda de bebidas), além da Revi (encontro de jovens líderes). E fazíamos um monte de coisas!

Com uma equipe tão maravilhosa, aos poucos, fui crescendo e me desenvolvendo na comissão, e ocupei várias pastas como diretora até chegar a ser presidente em 2004. Estamos falando de 2004 gente, olha que absurdooooooooo! Pra mim parece que não passou tanto tempo! A gente era totalmente maluco! A nossa casa era o Bunkyo, passávamos os finais de semana enfurnados nas salas, fazendo planejamento, distribuindo trabalhos, criando equipes. Em algumas épocas tivemos mais de 200 voluntários, e mais de 30 equipes, era uma coisa tipo "RH" de empresa, que a gente chamava de "Gestão de Talentos", por influencia do nosso presidente, 3M. Até nisso fomos pioneiros!

Aprendi muito sobre trabalho duro, sobre motivação, resiliência, como lidar com frustrações e também especialmente, a como lidar com pessoas. Hoje, olhando pra trás, consigo perceber de forma clara que cada barreira que a gente encontrava nos tornou mais fortes e melhores. Mesmo que na época, não parecesse assim. Hoje eu enxergo as lições, como disse o Steve Jobs: olhando pra trás, a gente conecta os pontos e tudo faz sentido.

Eu errei MUITO, e aprendi muito mais. Porque o seinen foi uma escola pra mim e pra todos, onde a gente podia experimentar e ousar, porque se errássemos, estava todo mundo junto, e ninguem seria penalizado porque éramos uma equipe verdadeira. Acho que em todos os trabalhos voluntários que eu assumi depois do Seinen Bunkyo, eu sempre tentei criar algo parecido com aquilo que desenvolvemos durante a gestão do 3M: uma familia unida, de amigos que se respeitam e se apoiam em tudo. Acho que aprendi bem a lição!

Eu sorri e me diverti demais em tantos eventos, adorava vender cartelinha de bingo e montar as preparações dos bazares. Como é bom voltar pra casa depois de um dia corrido, todo empoeirado, sujo e com fome, cansado fisicamente mas feliz por dentro, tomar um banho e poder dizer pra si mesmo quando vc enfim desmaia na cama: 'hoje eu ajudei alguém". Não existe sensação melhor nesse mundo! Sério! 

Mas nem tudo foi tão bom. Também chorei muito com dificuldades que na época, ainda imatura, não entendia. Aquilo me quebrou por dentro. Com isso me desmotivei, depois me motivei de novo e acabei assumindo outras batalhas, porque entendi que meu período no seinen tinha acabado. Hoje, eu ainda me sinto em casa no Bunkyo, mas quando vou no seinen, não sinto mais que pertenço naquela sala, porque hoje o clima é diferente, afinal 20 anos passaram né! Mudou a comunidade, as motivações, os objetivos, enfim...tudo! Mas as memórias que formamos estarão sempre no coração! E o meu desejo é de todo sucesso e muitas realizações e conquistas para o atual grupo da Comissão de Jovens do Bunkyo. Gambarimashou!



segunda-feira, novembro 20, 2017

Thor Ragnarok - Sessao pipoca perfeita (pra fãs de Marvel)

Hoje, feriado em SP, acordei mais tarde e resolvi fazer algo que não fazia há meses: ir ao cinema! Como boa fã de Marvel desde criança, Liga da Justiça não me atrai muito (na verdade, praticamente nada), então assisti Thor Ragnarok. O filme como um todo é muito legal, cheio de referências bacanas pra quem cresceu com esses personagens, e super bem humorado desde o começo! Parece mesmo que os atores se divertiram bastante fazendo esse filme, que tem piadas que não farão muito sentido pra quem não assistiu os outros filmes, nem leu as revistinhas. E o Stan Lee aparece muito engraçado na arena dos gladiadores! De uma maneira geral, um passatempo perfeito (pelo menos pra mim)! Se você não assistiu os filmes anteriores, também dá pra entender!


Bom, eu adoro o Tom Hiddleston (Loki) e simplesmente adoro o Idris Elba, que está ótimo como o Heimdall. Tem uma cena bem bacana em que a Hela (Cate Blanchett) destroi o Mjolnir (martelo do Thor) com facilidade, então ele passa boa parte do tempo se lamentando e reclamando da falta do martelo. Daí o Odin (pai do Thor) fala assim no final do filme: Thor, você é o deus do martelo, ou deus do trovão? E o Thor entende que o martelo não importa, e volta a arrasar com a força dos trovões. Muitas vezes com a gente também é assim. Pensamos que precisamos disso ou daquilo pra alcançar algum objetivo, mas na verdade, o que a gente precisa está dentro de nós mesmos. A nossa verdade, o nosso coração. Isso que importa!

Hoje foi dia da Consciencia Negra, e um trailer que eu já tinha visto me impressionou bastante antes da sessão. No universo Marvel, o Pantera Negra é um personagem menor. Mas sinto que nesse dia em que se fala tanto sobre consciência negra e valorização do negro na sociedade, o Pantera Negra é um personagem muito importante para essa comunidade. Porque ele é um rei, é um representante de seu país, guerreiro, ético, forte, bom, honesto, em resumo: super heroi.

O cinema é uma forma de comunicação muito importante, porque representa símbolos e signos muito poderosos, construindo uma mentalidade da época e atuando para movimentar e educar as massas, para o bem e para o mal. O negro nao pode ser retratado somente como traficante, bandido, vilão. O cinema é a melhor forma de propaganda, pois trabalha com a emoção e a beleza.

Em um mundo como o nosso, em que tantos jovens negros veem suas esperanças morrendo e tem seus sonhos ceifados diariamente, é importante que eles saibam que podem ser fortes, podem ser reis e rainhas, quando se virem nas telas do cinema, representados com personagens tão belos e carismáticos. As crianças merecem sonhar. Desejo que muitos jovens tenham a oportunidade de assistir esse filme e sentirem orgulho de ser negro. Que sonhem com grandeza e pureza.

E você, como passou esse feriado? ;)
Abaixo, o lindo trailer!



domingo, novembro 19, 2017

Sempre crescendo!


Essas semanas tem sido de muito trabalho, pois acabamos de completar 61 anos da Aliança e os preparativos para o Festival já estão uma loucura, alem disso estou ajudando nos 110 anos da imigração japonesa. Acho que faz umas 3 ou 4 semanas que trabalho aos fds e sempre com muita matéria pra escrever, projeto para terminar e planilhas pra preencher. Graças a Deus tenho muito trabalho e realizações na minha vida, e posso colocar o meu melhor em todas essas atividades!

Acabei de ler o livro “Ouse Crescer”, da Tara Mohr, e achei super interessante. As mulheres do mundo todo deveriam pegar esse livro e estudá-lo! Primeiro, pela questão da censora interior (que finalmente consegui silenciar no começo desse ano, graças aos meus papos com o Fred), e também o capitulo sobre a mentora interior (faz sentido, porque as mulheres realmente são influenciadas a não confiar nos proprios instintos e ideias, buscando sempre conselho externo e aprovação de outrem).


O impressionante é que o melhor conselho vem da gente mesmo! Sério, acreditem, homens e mulheres, a gente sabe o que tem que fazer. É só confiar em si mesmo, no proprio feeling, e acreditar. No fundo, a gente sempre sabe.

O que achei mais legal em todo o livro foi a questão do “salto”. Dar um salto agora, pular sem medo de errar, sem freios, sem preocupações. Tentar, testar, aprimorar durante o processo. Isso é muito importante, porque a hora é agora. A gente muitas vezes espera a perfeicao, mas a pura verdade é que não existe tal coisa (olha que isso é muito dificil de admitir, ainda mais para uma virginiana como eu). O bem feito é sempre melhor que o perfeito. Pois o perfeito não existe.

Acho bacana ter tido esse crescimento pessoal nos ultimos anos, pois há cinco anos atrás, não tinha esses insights e percepções. É um processo lento, demorado e dolorido. Mas imagina daqui a cinco anos, lendo muito, estudando bastante, melhorando sempre e me aprimorando todos os dias. Como estarei? E você, como estará? Pense nisso! Bjs!