sexta-feira, novembro 02, 2018

Faça bem pra você também!

A gente precisa preservar a nossa energia e se priorizar, ao invés de tentar agradar o mundo todo. Vejo muita gente (eu, inclusive) que coloca o bem estar dos outros como prioridade, muitas vezes se prejudicando. 

Quantos atos de amor e carinho você fez pelo outro nos últimos dias? E quantas vezes você se amou, se permitiu fazer um carinho para si mesmo?

Costumava contar pra minha coach que não precisava de nenhum inimigo. Eu era minha pior inimiga, a adversária mais cruel, incansável e critica que poderia enfrentar. Não tinha como vencer esse jogo, porque eu era a minha inimiga número 1.

Quando tomei consciência de que toda essa crítica, julgamento e opinião ruim que eu tinha sobre mim estava me fazendo (muito) mal, eu consegui me livrar desse peso desnecessário. .

Foi um processo difícil, mas agora, sou minha melhor amiga. Me permito fazer coisas que me fazem feliz, e não fazer as coisas que me entristecem. A vida é muito curta para não se amar. E você, como está se cuidando? 

We need to preserve our energy and prioritize, instead of trying to please everyone. I see many people (myself included) who put the well-being of others as a priority, often hurting themselves.

How many acts of love and caring have you done for others in the last days? And how many times have you loved yourself, allowed yourself to care a little bit about yourself?

I used to tell my coach that I didnt need any enemies. I was my worst enemy, the most cruel, tireless and critical adversary I could face. I could not win this game, because I was my own enemy number 1.

When I became aware that all this criticism, judgment and bad opinion I had about myself was hurting me (much) badly, I managed to get rid of this unnecessary weight.

It was a difficult process, but now, I'm my best friend. I allow myself to do things that make me happy, and dont do things that makes me sad. And you, how are you taking care of yourself?

sexta-feira, outubro 12, 2018

Liberdade para ser feliz

Esses dias escutei algo bonito. Perguntado sobre oque é felicidade, o menino respondeu: “pra mim, ser feliz é ser livre, poder fazer oque eu quero, ir para onde quiser”.


Sabe que eu nunca valorizei muito a minha liberdade? Eu sempre tive todas as condições para ser livre, mas eu mesma colocava cadeados na minha vida, amarras no meu coração...e me prendia, não me deixava voar.


Aprendi que ser livre e leve é muito bom! Livre de críticas, julgamentos e opiniões. Livre da zona de conforto, de viver com base nas expectativas dos outros. E mais gentil comigo mesma.


Ultimamente decidi viver com muito mais intensidade, indo em direção aos meus sonhos. Estou fazendo muitas coisas que são fora do padrão, aprendendo, experimentando uma nova maneira de ser e agir, deixando a energia fluir livremente.


E convido você também a refletir. O que você quer de diferente para a sua vida hoje? Existe algo que você quer muito fazer, mas nunca fez? E se não fez até agora, quando? Acredito que você consegue realizar tudo que está pulsando no seu coração. Simplesmente faça!


I’ve heard something beautiful these days. Asked about what is happiness, the guy replied: "For me, to be happy is to be free, to be able to do what I want, to go wherever I want."


Do you know that I have never really valued my freedom? I always had all the conditions to be free, but I used to put chains in my life, strings in my heart ... and that was restraining me.


I learned that being free and flowing is very good! Free from criticism, judgment and opinions. Free from the comfort zone, from living based on the expectations of others. And gentler to myself.


Lately I decided to live with much more intensity, going towards my dreams. I am doing many things that are out of the norm, learning, experiencing a new way of being, letting the energy flow freely.


And I invite you to reflect. What do you want different in your life today? Is there something you really want to do but never did? And if thais not done until now, when? I believe that you can accomplish everything that is thrilling in your heart. Just do it!


quarta-feira, setembro 26, 2018

We found love



Lógico que melhorei bastante nos últimos tempos, graças à infinita paciência dos meus amigos maravilhosos, que escutaram incansavelmente as minhas lamúrias e tristezas sobre o fim do relacionamento, me acolheram nas lágrimas e me ajudaram a refletir sobre todas as novas dúvidas que surgiram a partir dessa experiência triste.

Mesmo com todo apoio e suporte das pessoas que me amam, ainda sentia que faltava um “closure”, passar um remedinho no machucado, para cicatrizar e curar de vez o meu coração. Como para algumas perguntas eu não tinha resposta, fui perguntar pro meu terapeuta, o Fred Mattos (dica, assine o canal dele no Youtube!).

A minha dúvida era essencial para mim. Eu queria saber se eu sei o que é AMOR. Porque pensa bem, se apesar de tudo que estudei, li, vivi, sofri, superei, se eu AINDA não sei o que é amor, como eu vou ajudar as pessoas sendo coach?? Como vou construir um relacionamento saudável e maduro, sem saber definir se eu sei oque é amar?? Perai né!!

No meu coração, oque mais me machucava era pensar que eu tinha acreditado numa ilusão, numa cilada, numa mentira. Que eu tinha dedicado o melhor de mim por alguns meses pra viver uma farsa, sonhar com uma vida juntos, ser enganada por promessas de um falso amor, sem perceber oque estava acontecendo, desperdiçando meu tempo. Em resumo, achava que eu era uma otária. Simples assim.

O Fred me entendeu e me ajudou a compreender melhor minha angústia. Ele disse que tem diferença entre amor e relacionamento amoroso, essa é a primeira coisa. E para o amor, o meu critério era “reciprocidade”. O nosso amor não foi mais recíproco depois que ficamos distantes. Senti a tristeza no ar.

Dai o Fred respirou um pouco e colocou pra mim o critério da “entrega de qualidade”. E meu Deus, se olhar esse critério, eu tenho certeza absoluta que entreguei o melhor de mim. Como eu nunca tinha feito antes. Sem nenhuma ressalva. Entreguei 1000% do meu amor. Então, a minha parte foi feita. E portanto, eu sei muito amar, e sei o que é o amor. Amor é uma atitude, uma postura, mais do que um sentimento.

Outra coisa que me fez sentir o coração mais feliz foi que descrevendo o nosso relacionamento relâmpago trovejante, o Fred disse que com certeza, o moço me amou também. Porque senão não teríamos tido tantos sonhos e esperanças juntos. Lógico, depois a própria distância nos separou, porque ele tem um coração confuso, desconexão emocional, e mais dificuldade em manter um equilibrio na vida.

Mas nesse mundo que sustenta mentiras e desamor, confortou minha alma saber que o nosso amor foi verdadeiro. Foi amor enquanto durou. E sinto agora que estou pronta para amar de novo, muito mais, muito livre e feliz! We found love in a hopeless place. And I will find it again, because I’m in love with life!


quinta-feira, setembro 20, 2018

Mudanças no meu gosto musical


Quando me viu, a primeira coisa que o meu amigo me falou foi: Erika, para de escutar essas músicas deprê! Faz uma playlist bem animada e deixa de lado a Adele e a Amy Winehouse hahahahahaha...eu na verdade sei que a música influencia a nossa vibração e a nossa energia. E que somos feitos de energia, então, criei a nova playlist e estou nesse mood mais animado nos ultimos dias.

E realmente, depois que parei de escutar as musicas tristes e melancólicas, parece que a depressao e o desanimo que estava sentindo diminuiram bastante. Ainda estou meio tristinha, mas não só pelas coisas do coração. Para entender tudo que está acontecendo ao mesmo tempo, marquei uma horinha com meu terapeuta, o Fred, e sei que juntos, vou ressignificar tudo que anda acontecendo nos ultimos tempos na minha vida. Quando eu nao consigo resolver um problema sozinha, hoje, eu sei que preciso pedir ajuda. E essa é a hora.

Da minha playlist, tem algumas coisas engraçadas. O meu gosto musical sempre foi meio maluco, mas ultimamente tenho escutado muito essas musicas. Eu simplesmente amo a ZAZ, e Je Veux tem tudo a ver com o que eu penso. E pra completar, Earth Wind &Fire para celebrar setembro (e o fim do meu inferno astral! Até que enfim!)

Donnez-moi une suite au Ritz, je n'en veux pas!
Des bijoux de chez Chanel, je n'en veux pas!
Donnez-moi une limousine, j'en ferais quoi, papalapapapala
Offrez-moi du personnel, j'en ferais quoi?
Un manoir à Neufchatel, ce n'est pas pour moi
Offrez-moi la Tour Eiffel, j'en ferais quoi, papalapapapala
Je veux d'l'amour, d'la joie, de la bonne humeur
Ce n'est pas votre argent qui f'ra mon bonheur
Moi j'veux crever la main sur le cœur, papalapapapala
Allons ensemble, découvrir ma liberté
Oubliez donc tous vos clichés, bienvenue dans ma réalité

Me dê uma suíte no Ritz, eu não quero! Joias da Chanel, eu não quero!
Me dê uma limusine, o que eu faria? Papalapapapala
Me dê empregados, o que eu faria?
Uma mansão em Neuchâtel, isso não é para mim
Me dê a Torre Eiffel, o que eu faria? Papalapapapala
 Eu quero amor, alegria, bom humor
Não é o seu dinheiro que fará minha felicidade
Eu quero morrer com a mão no coração Papalapapapala
Vamos juntos, descobrir a minha liberdade
Portanto, esqueçam todos os vossos padrões
Bem-vindo à minha realidade!


quarta-feira, setembro 19, 2018

Dançando novamente


Eu confesso que só estava indo nas aulas de salsa (cubana, ainda por cima) por causa do ex. E lógico, pra sair da minha zona de conforto extremamente confortável e de quebra, desenvolver uma nova habilidade motora.

Enfim, o romance acabou infelizmente, love is over, é claro que eu não iria continuar gastando meu rico dinheirinho numa dança pouco comum e que ainda por cima me lembra muito do falecido.

Então hoje eu fui na escola pra escolher um novo ritmo. As opções pra mim eram bachata ou foxtrot, e estava com a mente aberta.

Pra ser sincera, eu nem sabia oque era foxtrot. Quando o moço explicou que era dançando música do Frank Sinatra, o meu coração já bateu mais forte! ❤️❤️❤️

A aula começou e o primeiro passo que aprendi foi o “promenade”. E a música realmente é do Frank Sinatra e afins. Os passos são elegantes, sofisticados e tem muitos giros. A apresentação será com vestido longo...ou seja, senti que essa dança tem simplesmente tudo a ver comigo! Se eu fosse numa escola hoje escolher um ritmo pra mim, seria esse (ou tango). Olha como é lindo!


 Eu sempre digo que nasci no tempo errado, porque se tivesse vivido na década de 50, 60, certamente estaria mais sintonizada com o mundo (me sinto muito deslocada). Eu amo coisas vintage, Marilyn Monroe, Elvis Presley e toda essa temática.

Enfim: adorei a dança e o estilo! Agora sim vou me dedicar em algo que realmente tem a ver com minha elegância e delicadeza natural!

Depois fui conhecer a bachata. É um ritmo legal mas muito parecido com a salsa. E tem muito contato físico, na minha pudica opinião. E não sou sexy, sou kawaii. Além disso, a minha intenção sincera é nunca mais ter contato nenhum com salsa. Por isso, decidi pelo foxtrot.

A minha escola é a Carlinhos de Jesus, pertinho do metrô Parada Inglesa, e estou adorando. Porque eu simplesmente não paro de dançar, você pode se perguntar? Ah, porque é divertido, gosto muito e eu simplesmente adoro meu professor, acho ele lindo, gentil, carinhoso, talentoso e muito maravilhoso. Então não vou deixar de ver o Ric por causa do ex. Hahahaha!

A minha musa inspiradora pode explicar melhor que eu:
If this would be a perfect world
We'd be together then (let's do it do it do it)
Only got just one life this I've learned
Who cares what they're gonna say (let's do it do it do it)
I wanna dance, and love, and dance again

terça-feira, setembro 18, 2018

Aprendendo a pedir ajuda


Uma coisa que eu nunca fui boa na minha vida é em pedir ajuda. Reconheço que era uma falha e uma falta da minha personalidade, porque desde criança, prefiro (tentar) resolver as minhas coisas e problemáticas sozinha, do que pedir ajuda. 

Segundo a minha coach, como nasci de "forceps", pra mim, qualquer tipo de ajuda dói, está marcado no meu inconsciente (e no meu rosto, pois tenho uma marquinha do nascimento). 

E realmente, quando pedia ajuda, me sentia diminuida e fraca. Preferia sofrer sozinha, e claro, sempre ajudar os outros (me mostrando inabalável para o mundo, mesmo que em caquinhos por dentro).

Dessa vez, nesse meu ultimo break up que me machucou demais, eu pedi ajuda pra todo mundo, fiquei chorando com os amigos, pedindo conselho, pedindo carinho, tentando entender o que deu errado e quais as lições eu podia aprender com esse relacionamento. Os meus amigos disseram de tudo, me aconselharam e inclusive, deram muitos insights que eu nao tinha pensado. 

E nesse processo de chorar com todo mundo, descobri porque machucou tanto dessa vez: eu terminei esse relacionamento ainda gostando muito da pessoa, e quando eu não estava no meu melhor. Mostrei para ele o pior de mim, e isso me magoa. E é uma pena mesmo não ter dado certo, porque ele combinava muito comigo.

Hoje eu sou humilde e sei pedir ajuda quando preciso, e principalmente, sei ajudar quando necessário. Outra divergência que tinha com a minha coach é que ela dizia que só podemos ajudar depois de responder três perguntas:

1) a ajuda é boa para mim
2) a ajuda é boa para a pessoa
3) ela pediu ajuda?

E eu teoricamente só poderia ajudar se as 3 respostas fossem sim. Hoje já tenho uma abordagem mais prática da coisa. Eu quero ajudar? Eu posso ajudar? Então ajudo. E que se exploda o resto. Deus está vendo, e se a pessoa não reconhecer o que eu fiz, tranquilo, eu sei o que eu fiz, e pra mim, isso já está bom. Eu tenho a consciência tranquila e pura. E isso que importa. Estamos todos juntos. Obrigada aos meus amigos e amigas, por me ajudarem sempre que preciso! 


sexta-feira, setembro 14, 2018

Corrida de ratinhos



Esses dias retomei contato com minha coach. Eu tinha pausado unilateralmente o meu relacionamento com ela, pois ela tinha uma opiniao muito forte e desabonadora sobre meu ex: que eu deveria largá-lo imediatamente (hahahahaha).

Como eu não concordei, me afastei dela (e olhando em retrocesso, me ferrei hahahahaha). E passaram-se os meses, os anos, os namorados, as dores do amor e desamor...e eis que ela voltou a me telefonar, agora para pedir ajuda para alguns casos ligados à minha expertise (diga-se, cultura japonesa).

Eu achei o MÁXIMO voltar a falar com minha querida coach, agora na respeitosa condição de consultora. E voltamos a nos falar pelo whatsapp. Eu inclusive pedi para agendar uns horários de acompanhamento do status da minha vida, algo tipo uma avaliação periódica. E ela me passou o contato de um coachee (aluno) dela.

Muito engraçado perceber, mas tendo um pouquinho de contato com ele, eu relembrei o motivo de ter perdido o tesão de visitar a minha coach (sim, eu sou uma pessoa que esquece muito facil tudo de ruim que me acontece - vai entender!!).

Ela é simplesmente otima para orientar pessoas reativas, desanimadas ou passivas, porque ela coloca muita pilha em você, pra sair nesse exato momento atrás de trabalho, metas, mais clientes, mais projetos, mais grana, mais TUDO. Eu já fui assim: reativa, desanimada e passiva. Com a ajuda dela, enxerguei muita coisa e melhorei 1000%.

Enfim, acho essa abordagem da minha coach super legal para as pessoas que estão no pique de TER mais. Só que desde aquela época, eu estou num momento pleno de SER, e não ter. Então pra mim, sinceramente, nao faz sentido ver esse menino se matar de trabalhar, com 5 empresas ao mesmo tempo, sem condições de manter uma conversa por 10 minutos, correndo de uma reuniao pra outra. Isso é vida?

Anyway, você pode ponderar dizendo: "Erika, a sua vida também é assim". Concordo, por 4 meses da minha vida, eu fico praticamente internada dentro do escritorio-hospicio, organizando o Festival do Japão e para isso, preciso largar minha vida, meu amor-proprio, meu relacionamento, meus estudos e tudo mais, e viver em função de um projeto, de uma ideia. E faço isso há dez anos, por um proposito maior. Mas assim que acaba o Festival, eu procuro voltar para a minha vida normal. Não sou um ratinho preso na gaiola. O dinheiro não me move, o proposito é mais importante pra mim.

Lógico que não sou socialista/comunista, sou capitalista, vivo confortavelmente, quero viajar e conhecer outros paises, e para isso, trabalho pra caramba. Estou fazendo cursos para melhorar minhas possibilidades de trabalho e renda, penso no meu futuro, mas sinceramente, não quero trocar minha vida por um punhado de reais, euros ou dólares. Mesmo que seja um montão. Prefiro ser feliz. E vc?


terça-feira, setembro 04, 2018

Sushi de sal





Quando nos despedimos, eu estava em um jantar, no balcao do sushi, e o itamae-san nao deve ter entendido porque eu estava com tantas lagrimas nos olhos. Foi o jantar mais triste da minha vida.

Percebi que eu te pedi desculpas e falei muito das minhas falhas, dos meus erros, não fiquei acusando você, mas você em nenhum momento considerou os seus erros, as suas falhas, as magoas que você me causou.

Se você tivesse tido um pouquinho mais de cuidado com os meus sentimentos e com o meu amor por voce, eu nao teria perdido a esperança e a paciencia, como perdi naquele dia. Entao eu poderia sim ter sido melhor com voce. Mas com certeza, você também poderia ter sido melhor comigo. Tenha consciência disso.

Para me despedir desse amor, lembrei do que o padre falou naquele velório. Para que estamos correndo como loucos atrás de coisas materiais, se o amor é que importa? Qual o sentido? A familia é o que temos de mais importante na vida. E eu adoro sua família. Se o seu amor por mim fosse verdadeiro, você me perdoaria.

Provavelmente, o que você sentiu por mim não era amor. Talvez você nao saiba - ou não queira - amar. Vou ser feliz e desejo também sua felicidade. É difícil uma despedida, quando ainda amamos. Obrigada por ter me amado e me respeitado.

quarta-feira, agosto 29, 2018

Como dizer “eu te amo”?


Amor, que sentimento lindo e complicado. No Japão, é muito difícil (praticamente impossível) escutar um “Aishiteru” (eu te amo), mas um “Suki dayo” (gosto de vc) é mais provável, como nessa musica da Hikaru Utada. Lá, a visão de relacionamento, amor e felicidade é muito diferente daqui.

A gente, com nossa cultura nikkei, também importa alguns desses traços em nossa maneira de ver o mundo e as relações. Pra mim é muito fácil falar que eu “amo” sushi, Hello Kitty ou viajar. Mas falar que eu amo alguém...é super difícil (e já foi muito mais).

Em um momento desafiador para nós dois, se eu tivesse falado essas 3 palavrinhas tão lindas para a pessoa mais importante do mundo pra mim, teria mudado minha vida, literalmente. Estaríamos juntos, se eu não tivesse economizado essas palavras pra mais tarde (aliás, quando?).

E se eu pudesse voltar no tempo, voltaria pra esse exato dia e confessaria todo meu sentimento de amor e admiração, antes que o tempo nos distanciasse. O momento mágico infelizmente não volta, agora ele não me escuta mais...

Portanto, se me permite dar um conselho: quando sentir que ama alguém, diga. Não ligue para oque os outros vão dizer ou podem pensar. Isso vale não somente para relações amorosas. A vida é muito rara para viver sem amar. Sobre isso, assista o vídeo do Marcos Piangers, “O Poder do Eu te Amo”, que é muito lindo.
.

quinta-feira, agosto 23, 2018

Consulta de rotina

Fui ao médico correndo, porque precisava mostrar meus exames e pegar receita de um remédio. Geralmente é para isso que vamos ao médico, correto?

Pois bem, esse médico velhinho ficou admirado me olhando e perguntando minha idade e falando “nooooossa, não parece”. Ele falou isso duas vezes. E não receitou meu remédio. 😒

Geralmente eu sou super calma e paciente, mas nos últimos dias tenho estado bem irritadiça (percebe-se hahahaha). 

Então o médico odissan deve ter reparado na minha cara absolutamente mau humorada e ficou quieto. É cada uma que mulher tem que aguentar! Marquei minha consulta no especialista, e nunca mais volto ness consultório né! 

Violência contra a mulher, em uma reunião com mulheres



Primeiramente, como é bom voltar para a vida normal!

Estava em uma reunião que me comprovou porque eu não me sentia bem nesse ambiente. A certa altura, o cara que nunca fez nada digno de nota começou a xingar descontroladamente uma representante do sexo feminino (que não estava presente) de piranha, vagabunda, vadia, falta "daquilo", mal amada, ressentida e incompetente. E outro acrescenta que se tiver chance, partiria para a violência contra ela. O pior, a responsabilidade desse ocorrido é conjunta, de todos, não só da "piranha". Qual é o motivo pelo qual os homens falam da nossa sexualidade, para nos ofenderem? Sim, é essa cultura machista na qual estamos inseridos.

Detalhe, tinha pelo menos mais 10 mulheres na sala. E eu fiquei calada. As outras mulheres também. Faltou sororidade. No meu caso, sabe porque? Por que não adianta perder meu tempo e minha energia com gente babaca, ainda mais em público. Deixa ele ser misógino, raivoso e mal amado lá no canto dele, porque pessoas machistas não mudam de opinião do dia pra noite, ainda mais quando passam de uma certa idade (ou seja, são velhos). Só tenho pena da familia dele, conviver com uma pessoa ignorante como essa não deve ser fácil, e eu sei que é meio desequilibrado emocionalmente, então preferi me eximir, pois não tenho nada a ver com isso.

Eu já enfrento o machismo diariamente no meu trabalho, pois afinal, como é possivel eu ser tão bonita E inteligente? Doce E competente? Gentil E profissional? É muita ousadia uma moça como eu ser tão eficiente e hábil na minha gestão, e entendo que muitos homens (assim como mulheres) devem ficar perplexos com os resultados que obtenho. Porque eu não preciso abrir mão da minha energia feminina para ter sucesso nessa vida e na minha carreira. Exijo e demando respeito. Bjs.

sábado, julho 07, 2018

O ativo mais importante da vida

Sabe que o Welltory, meu app de saúde, me mostra todos os dias que estou mal, muito mal, no limiar da exaustão, precisando descansar urgentemente? Sério, fiquei até preocupada! Estou realmente mais consciente sobre a queda da minha produtividade, devido à quase síncope.


Todos os dias, quando vou medir, o resultado é que estou sem energia, meu corpo não está aguentando tanto esforço e o estresse está acumulado de uma forma incompatível com a vida humana rsrsrsrsr! E olha que estou (tentando) dormir e fazendo massagem de noite! Me esforço pra chegar em casa as 22:00, tomar banho, fazer massagem e dormir! ❤️


Eu sei que falei do menino com problemas no coração há uns dias atrás e na verdade, refletindo...acho que estou indo pelo mesmo caminho que ele hahahaha! Daqui a pouquinho, se continuar no mesmo ritmo, perderei minha saúde, que é o mais importante ativo da vida! E não podemos deixar isso acontecer!


Então hoje é sábado e estou aqui no laboratório cheio, pra fazer os exames que o médico pediu. Deveria estar num evento...mas a verdade é que eu devo dizer NÃO pra algumas coisas, pois eventos sempre existirão na minha vida! E para que exista minha vida e meus eventos, preciso antes ter saúde!



segunda-feira, junho 25, 2018

Saúde para quem precisa


No domingo, estava assistindo ao treinamento de acessibilidade e juro...a minha intenção original era voltar para o escritório e trabalhar até 22 horas, como fiz nos demais dias da semana anterior. Eu não estava me sentindo exaurida. Cansada sim, mas não exausta. E tenho muito pra fazer!

A última vez que descansei 1 dia foi há 3 semanas atrás, segundo meu Google calendar. Nos últimos 15 dias, trabalhei todos...na maioria, até 22 horas, incluindo sábado e domingo, ou com coisas do Festival ou trabalho voluntário. Ser coordenadora do Festival não é fácil!

Eu baixei um app chamado “Welltory”, que monitora sua saúde através de um exame feito pelo visor da câmera e do flash. Não sei como eles fazem, mas sai o seu batimento cardíaco e nivel de estresse.

Fiz a medição e surpreendentemente, o app descobriu que eu estava muito cansada  e recomendou descansar. Eu resolvi “escutar meu celular”, por mais louco que isso possa parecer, e fui almojantar (não sei se o app descobriu que não tinha almoçado hahaha), e descansei um pouquinho, passeei, e voltei pra casa.

Depois de tomar banho e falar com o boy, cá estou eu. Deitada na cama, tentando relaxar. Vou medir novamente meu nivel de estressse! Eu acredito que sou um dínamo, com capacidade para gerar muita energia e coisas boas. Mas para isso, preciso estar muito bem fisicamente. Então, vamos cuidar do corpo, e descansar um pouquinho!

domingo, junho 24, 2018

Aprendendo sobre acessibilidade

Hoje estava num treinamento maravilhoso de acessibilidade, que me abriu o coração e a mente para muitos preconceitos que eu tinha em relação à pessoa com deficiência.


Saber um pouco mais sobre a cultura surda, sobre a rotina de uma pessoa cega, sobre os níveis de dificuldade e resistência que as pessoas com deficiência enfrentam no dia-a-dia, foi esclarecedor. Uma oportunidade de aprendizado e exercício da empatia.

No meio do treinamento, eu chorei de emoção. As lágrimas vieram quando apareceu uma foto da equipe do palco do ano passado, no momento em que o menino com paralisia cerebral estava contando sobre a história dele.

A história dele também é nossa. A gente ajuda o Festival porque acreditamos de verdade, com toda nossa alma, no objetivo de ajudar as entidades e divulgar a cultura japonesa no Brasil. Mas esse ano, teremos uma voluntária a menos. Lembrar disso me faz sentir pequena, no sentido que a vida passa muito rápido. A gente nunca sabe o amanhã.

E pensando nisso, em como qs coisas mudam, em como a vida é tão valiosa e efêmera, refleti...será que minha fase na comissão está acabando? Será que eu quero continuar a viver assim? São respostas que somente eu posso buscar. Mas os ensinamentos de hoje com certeza permanecem no meu coração.

quarta-feira, junho 20, 2018

Saúde não tem substituto


“Erika, desculpa, demorei pra te mandar os documentos porque estou com um problema pessoal. O médico descobriu um problema na artéria do coração e vou precisar fazer um cateterismo depois do evento. Mas estou BEM, pronto pra tudo!”

Gente, fala sério!! Porquê uma pessoa que está com problemas no coração insiste em trabalhar numa área em que tudo acontece sob pressão? Será que ele acha que pode substituir o coração quando falhar? Que é uma coisa simples ter problema no coração?

Tem coisas no ser humano que realmente não consigo entender! Por mais que seja uma área bacana de trabalhar, onde não existe rotina, a área de eventos, justamente por não ter rotina, é muito estressante. Será que esse moço (tão jovem) pensa na família dele, na esposa e nos filhos, quando sai de casa pra trabalhar?

Longe de mim querer opinar na vida dos outros, mas se eu fosse ele, pedia demissão agora mesmo e ia buscar outra coisa que me completasse na vida, e curtiria minha familia. Por que por mais que a gente ame trabalhar na área, o trabalho não vai dizer "obrigado" por tudo que a gente fez por ele. Existem coisas mais importantes na vida, e uma delas é a saúde, além da família e do amor. Vamos viver a vida e cuidar do nosso corpo e mente!








terça-feira, junho 19, 2018

A gente acostuma...

Estou acostumada a trabalhar todos os dias até 22:00 e ser a última pessoa que sai do prédio. A gente acostuma, mas na verdade, não deveria né!

Eu gostaria muito de ser o tipo que deixa a responsabilidade de lado e vai curtir a vida, mas faltando 35 dias pro Festival, eu sei que o sucesso do evento também depende muito do meu esforço e da minha energia!

Preciso me concentrar, mas as pessoas que não estão vivendo minha vida tendem a não entender porque preciso me comprometer tanto com o trabalho. 

O professor reclama que não fui na aula, a amiga reclama que não vou na festa, mas a verdade é que o momento que vivo hoje exige 1000% de dedicação e atenção exclusiva. 

Afinal, quase 200 mil pessoas dependem das decisões que tomo todos os dias! É preciso estar concentrado para tomá-las, incluindo algumas medidas impopulares. E alguém precisa tomar as decisões chatas e que chateiam os outros.

A responsabilidade é grande, mas o resultado é maior. Eu sei que consigo mais. E vamos conseguir juntos! Gambarimashou!

segunda-feira, junho 18, 2018

Coaching em meio ao lixo


Esses dias recebemos o cônsul geral do Japão para uma visita técnica. Fomos lá no local do evento e eles ficaram medindo os batentes das portas, a medida dos corredores, o número de passos entre o elevador e a sala, a altura do andar. Coisa típica de japonês, sabe? 

Japoneses são extremamente meticulosos e atenciosos nas coisas pequenas, naquelas esdrúxulas mesmo e simplesmente odeiam imprevistos, ainda mais quando estamos falando na potencial vinda de um membro da família imperial. Então essa provavelmente foi a primeira de umas 30 visitas e reuniões, e estamos acostumados com isso.

Entretanto, algo inesperado ocorreu. A visita era na sala 211, 210, 209, e por final, na sala 208. E o que eles encontraram quando abriram a sala 208 foi algo assim, mas bem piorado. Quando acendemos a luz....OHMYGOD! 


Esse era o lado MENOS sujo da sala. Eu fiquei tão enojada que sinceramente, não tive condições de fotografar o outro lado. Senti vergonha de ser brasileira, na frente do cônsul geral do Japão, e abrir a porta de uma sala tão suja e nojenta. Eles estavam literalmente fazendo a reunião no meio do LIXO. E eu fiquei do lado de fora pensando "meu deus, como tem gente sem noção no mundo!!!".

O meu sentimento de vergonha não era nem porque o cônsul é representante máximo do governo japonês aqui em São Paulo, acompanhado pelo vice-consul e todo seu staff. A minha indignação é saber que existe gente que acha NORMAL fazer um evento e sair da sala e deixar tudo horrivelmente sujo, achar que isso é normal e aceitável, porque afinal, estão pagando o aluguel e outra pessoa vai fazer a limpeza. Isso é completamente abominável! Mas, espera, vai ficar pior!

Depois eu fui falar com o diretor e perguntei: do que era esse evento de gente tão porca?? E PASMEM: era um evento de COACHING. Mais especificamente, de formação de coaches. Fico pensando no tipo de coaches que foram formados nessa porcalhada. Qual a linha de atuação moral e ética desses novos profissionais? Qual o respeito que eles tem pelas outras pessoas? Como confiar num coach que sai de um evento e deixa a sala absolutamente detonada, e acha isso normal?

O diretor ainda tentou explicar que ao final do evento, os participantes fizeram um "ritual de libertação" e por isso jogaram todo aquele lixo na sala. Na minha opinião, foi uma libertação da educação e do respeito pelo outro. Porque isso não se faz. Por mais que você contrate uma pessoa para fazer limpeza do seu evento, é sacanagem largar a sala daquele jeito! A gente costuma juntar todo lixo nos sacos, deixar tudo organizado, mais ou menos limpo e arrumado, e depois sair. Somos bobos? Isso é respeito pelo próximo. Isso é vida em sociedade civilizada. E sabe o que é pior? Quando estávamos já saindo da sala, todo mundo meio abalado pela cena da reunião em meio do lixo...vi que estava chegando o faxineiro. Só no final da reunião. Isso (também) é ser brasileiro. =(




sexta-feira, junho 15, 2018

Eu não sou parada no metrô. Porquê?


Estava voltando da aula e tinha dois meninos no metrô. Eles eram negros, meio mal vestidos e estavam com celulares na mão. Gente, confesso que normalmente eu andaria meio longe (hahahaha), mas eu estou tentando adotar uma maneira diferente de (vi)ver a vida, então ao invés de ficar longe, não me distanciei dos meninos, fiquei andando normalmente. E percebi uma coisa. 

Passamos na catraca, eles pagaram a passagem com bilhete unico como eu. O cara do metrô chamou os meninos para "conversar", saber para onde eles estão indo. E me deixou passar de boa. Quando eu cheguei para esperar o metrô, eles chegaram depois, por causa do funcionário do metrô. Daí entramos no vagão, eles ficaram mexendo no celular. E saímos na mesma estação, e (surpresa), outro funcionário do metrô parou os meninos para "conversar" com eles de novo. E eles não estavam fazendo nada de errado, só andando, conversando e olhando a tela do celular, assim como todos os outros que estavam no trem!

A gente devolve o que recebe da vida. Se eu sou recebida com um sorriso (e graças a Deus, em muitos lugares, é assim que me recebem), eu devolvo com um sorriso. Mas se sou recebida com desconfiança, rancor, ódio, oque vou devolver pro mundo? Sério, tento me colocar no lugar desses meninos, que estavam completamente de boa, e foram parados 2 vezes em menos de 10 minutos, e imagina quantas vezes eles não são parados por dia, mesmo sem terem feito nada de errado? Deve ser revoltante, muito frustrante, e compreendo que é injusto julgar o outro pela cor ou pela aparência.

Eu sou muito abençoada por ser bem recebida onde vou, e mesmo nos lugares onde não conheço ninguém, por causa da minha aparência e especialmente da minha ascendência, sou muitíssimo bem tratada. Posso entrar na livraria com um livro na mão, e ninguém vai achar que eu o roubei. Posso entrar num estabelecimento qualquer e ninguém me tratará como potencial criminosa. Posso pedir para ver uma roupa na loja, e a vendedora vai me atender. Aonde vou, sou respeitada. Faço parte de uma minoria super privilegiada, num país de desprivilegiados. E isso é muito triste.

A criança precisa receber amor para aprender como dar amor. E quando a gente não recebe amor em profusão, como vamos compartilhar esse sentimento bom para o mundo? Penso em quantas crianças, quantos jovens, adultos e idosos estão vivendo desse jeito, sendo destratados, ignorados, desvalorizados, mortos, assassinados. É revoltante. Oque eu posso fazer para mudar isso (me pergunto)? E a verdade é que não descobri ainda as respostas.

No show da Paula Lima, ela cantou essa musica linda da Sandra de Sá (Olhos Coloridos). E é verdade, muitos elementos da cultura negra são valorizados e invejados. A música, a moda, a cultura. Todos querem imitar. Mas porquê as pessoas negras são desvalorizadas em nossa sociedade maluca? Porquê rir do sorriso e da alegria de um povo? O Brasil é uma mistura de raças, e todos somos meio crioulos. Se me largarem no meio do Japão, eu serei sempre meio brasileira, diferente dos japoneses. E aqui no Brasil, serei sempre meio japonesa, diferente dos brasileiros. E essa mistura que é bonita!


Os meus olhos coloridos
Me fazem refletir
Eu estou sempre na minha
E não posso mais fugir...

Meu cabelo enrolado
Todos querem imitar
Eles estão baratinado
Também querem enrolar...

Você ri da minha roupa
Você ri do meu cabelo
Você ri da minha pele
Você ri do meu sorriso...

A verdade é que você
(Todo brasileiro tem!)
Tem sangue crioulo
Tem cabelo duro
Sarará, sarará
Sarará, sarará
Sarará crioulo...

quinta-feira, junho 14, 2018

Bailando


Estou fazendo aulas particulares de salsa com o (super) professor Ricardo Garcia, da Casa da Cardeal (um lugar lindo, em plena Cardeal Arcoverde, recomendo!). Dessa vez, definitivamente, eu aprendo!

Na verdade, pra mim está sendo uma experiência interessante, porque eu antes tinha esse pensamento limitador de que não possuo coordenação motora. 

As aulas no Clube Latino e agora, na Casa da Cardeal, estão me mostrando que sim, existe esperança no final da pista. E que eu não sou tão ruim na dança quanto pensava...rsrsrs...

Dançar, pra mim, é algo completamente fora da minha zona de conforto, e que ainda me assusta um pouco. Então, é muito bom, porque o crescimento só vem com um pouquinho de desconforto! A dica é essa: as coisas que fazem bem pra nossa evolução normalmente dão um pouco de medo! Ter medo, e principalmente enfrentá-lo, é sempre bom!

O boy ama salsa, então no começo fui só pra acompanhar a onda, mas sabe que estou gostando?? É muito divertido, relaxante e gostoso. E posso aprender mais sobre música, melodia e ritmo. E se eu, a pessoa mais desengonçada do mundo, consigo dançar, então qualquer um consegue! Vamos aguardar as próximas aulas! 

quarta-feira, junho 13, 2018

Buscando as raizes


Assisti ao show da Paula Lima (uma deusa) e Funk como le Gusta (super banda) e essa música do Tim Maia - Imunização Racional (Que Beleza) - me chamou muito a atenção, porque foi a primeira vez que escutei-a com atenção.

Que beleza é sentir a natureza
Ter certeza pr'onde vai
E de onde vem
Que beleza é vir da pureza

E sem medo distinguir
O mal e o bem
Uh! Uh! Uh! Que Beleza!
Uh! Uh! Uh! Que Beleza!

Que beleza é saber seu nome
Sua origem, seu passado
E seu futuro
Que beleza é conhecer
O desencanto
E ver tudo bem mais claro
No escuro

Essa música tem muita coisa a ver com a nossa busca pelas raízes. Saber o seu nome, a sua origem, conhecer o seu passado, também é construir o seu futuro. Isso faz a gente ter certeza de onde vem e para onde vai. Isso constrói um legado que vai perdurar.

Sinto isso vibrando forte no coração de muita gente linda que eu conheço. Essa semana tive a oportunidade de ficar no camarim de um evento - coisa que não fazia faz tempo - e pude ver crianças, jovens, adultos e senhorinhas, todos dedicando um domingo de sol, seu dia de descanso, pra divulgar a cultura japonesa (Uh! Uh! Uh! Que Beleza!).

Nesse mundo cheio de ódio, preconceito e desesperança, é maravilhoso fazer parte de coisas tão lindas!! Muita gratidão!! Muita luz!! Muita inspiração!!

Depois do evento, falamos das memórias bonitas do Centenário, agora dos 110 anos, e do futuro, nos 120 anos. Talvez a vida mude nosso caminho, muita coisa pode acontecer em nossa jornada, então a gente não sabe se estará à frente das comemorações dos 120 anos, mas uma coisa tenho certeza: o nosso trabalho é importante. Cada pensamento de esperança está fazendo diferença! E seguimos em frente, porque sabemos de onde viemos e para onde vamos!

terça-feira, junho 12, 2018

Namorar é preciso



“Namorar é perda de tempo e de dinheiro”. Quem falou isso foi um rapaz bonito, no elevador do shopping, para um grupo de amigos. Eu escutei e anotei mentalmente pra escrever sobre isso hahahaha! Afinal, coisas banais do cotidiano viram post no blog!

Eu sinto compaixão pelo menino, porque ele ainda é novo e vai viver muita coisa na vida. Provavelmente ele não se apaixonou, muito menos amou alguém. E a opinião dele deve mudar com o passar do tempo.

Namorar pode ser sim, perda de tempo e dinheiro (meudeusdoceu, eu que o diga hahahaha, porque perdi muito de ambos!). Mas não deixaria essas experiências de lado, mesmo as ruins. Sim, eu acredito no amor e em relacionamentos, e principalmente, sei que a gente aprende com todas as experiências, boas ou ruins!

Mesmo perdendo algumas coisas, na verdade, a gente ganha muito. Ganha experiência, resiliência, calma e maturidade. Se a gente se dedicou de coração, nada nessa vida é perda de tempo. Tudo tem um motivo pra acontecer e existe uma razão para encontramos cada pessoa em nossa vida.

Não existe relacionamento perfeito, mas existe aquela relação que a gente constrói. Nisso eu acredito. E eu estou em busca de construir o melhor relacionamento da minha vida, com um homem real e imperfeito.

Lógico que eu acredito que sim, é possível ser muito feliz sozinha(o). Mas um relacionamento dá um sentido mais amplo pra nossa vida. Quando a gente ama, a felicidade é multiplicada!

Amor é decisão e escolha. É um compromisso com o outro e com você mesmo! E namorar é tão bom...mesmo que a gente invista tempo e gaste um pouco de dinheiro! Hoje é Dia dos Namorados, e o meu está tão longe, mas dava tudo para estar com ele agora! (Atualização, ele me ligou e estou suuuuuuuuuuper feliz!!). Bom, espero que o menino mude de ideia e namore muito! Porque namorar é bom demais! ❤❤❤

segunda-feira, junho 11, 2018

Uma reunião com o ministro Taro Kono


Um dia emocionante, para ficar no coração pra sempre! Tivemos a honra de participar de um encontro com o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Taro Kono, em sua primeira visita ao Brasil e à América Latina!

Nesse encontro, recebemos a grata oportunidade de conversar e trocar ideias sobre os nossos sonhos e sobre oque nos inspira a trabalhar pela comunidade nikkei e pela divulgação da cultura japonesa no Brasil.

Muita gratidão a todos os amigos do Consulado, da Associação Brasileira dos Ex-bolsistas Gaimusho Kenshusei e um agradecimento especial ao Sandro Hojo, que fez um desenho absolutamente perfeito do ministro, que o Kono san adorou! Esperamos que ele retorne muitas vezes ao Brasil! E que possamos mostrar muita coisa linda em cada visita!



Para mim, foi algo realmente incrível e que antes de superar minha “síndrome do impostor”, talvez nem tivesse acontecido. Lembro de uma vez em que o cônsul me ligou para oferecer uma bolsa para o Japão, e eu simplesmente recusei, porque (achava que) tinha “n” coisas para fazer (mas no fundo, no fundo, achava que outras pessoas mereciam mais do que eu).

Eu sei que não é um pensamento racional, mas a verdade é que nosso inconsciente é irracional. Hoje, deletada essa má função do meu cérebro, eu sei que sou sim totalmente merecedora dessas oportunidades!! 
Tenho hoje a consciência que trabalho muito, me esforço mais ainda, e que meu conhecimento e minha rede de contatos  valem mais do que um lote de diamantes! 
E você também, que está lendo esse post, tenha absoluta certeza da sua unicidade, do seu valor, e do quanto você é importante nesse mundo.  Não deixe esse mundo maluco diminuir ou frustrar seus sonhos, continue batalhando, seguindo em frente, acreditando. O meu sonho está vivo e a cada dia, tenho mais possibilidades de me desenvolver e construir um legado. E o seu legado, como está?

quarta-feira, maio 30, 2018

Coisas fora do meu controle

Eu estou acostumada a fazer as coisas darem (muito) certo. Geralmente o que eu toco, dá certo, porque eu coloco minha energia positiva em tudo que faço. Exceto na última semana. Tudo que eu fiz deu errado hahahahaha. O site saiu do ar por uma besteira, a gráfica imprimiu os panfletos errados, reuniões não aconteceram simplesmente porque eu nao estava do lado. Muita coisa enfim. Foi uma semana que eu rezei pra acabar logo.

E acredita que nessa semana, o azar continua?? Além de tudo, começou essa greve dos caminhoneiros e sem gasolina, o Brasil parou. Eu já não sei mais o que faço! Talvez seja o caso de eu me desligar um pouco do mundo, fazer uma limpeza espiritual e entregar as coisas na mão de quem é responsável, parar de assumir a responsabilidade do outro, confiar no que estou fazendo e seguir em frente.

Muitas vezes as coisas não acontecem como a gente quer, mas isso nao quer dizer que elas estão fora do controle. Elas simplesmente estão acontecendo como devem acontecer. Agora eu preciso me convencer disso e ficar calma, porque faltam 50 dias pro Festival. Tudo dará certo no final! Essa hora critica é quando a gente precisa manter o foco e a fé. Gambarimashou.


terça-feira, maio 15, 2018

Sobre viver e super viver



Esses dias estava pensando com um amigo e ele falou que estava buscando novas formas de "sobreviver" em meio à crise. E isso me fez refletir que muita gente (a maioria das pessoas, na verdade), hoje não tem muito tempo para sonhar, criar projetos ou ajudar a comunidade, pois estão muito ocupados garantindo um mínimo padrão de sobrevivência.

Até nisso eu sou muito abençoada por Deus, pois eu tenho a grata felicidade de trabalhar com o que eu amo, no que eu realizo de mais excelente, recebendo bem para isso, e mais importante do que tudo, fazendo oque eu mais gosto: ajudando as pessoas!

Sou muitíssimo grata e abençoada, pois descobri meu propósito de vida, algo que grande parte das pessoas não têm oportunidade para descobrir, tempo para definir ou visão para enxergar. O meu propósito de vida é simplesmente ajudar esse mundo a melhorar de alguma forma. E sei que consigo realizar essa missão!

Eu recebi e continuo recebendo tantas bênçãos em minha breve visita aqui nesse planeta querido, que meu coração é repleto de gratidão e sentimentos lindos! 

Diria que a minha vida hoje é mais do que sobrevivência, mais do que vivência. Eu não sobrevivo, eu SUPER vivo e me supero a cada dia! Afinal, o que muitas pessoas não puderam experienciar em uma vida, eu vivo em um semestre!

Qual o segredo para isso? Você pode me perguntar! Se me permite dizer, eu posso afirmar que é sempre manter sua honestidade, ética e moral, acima de tudo. 

Também é trabalhar mais do que os outros. É se esforçar sozinho, pois ninguém vai carregar as suas pedras por você. É manter a máxima: não julgar, não criticar, não reclamar. É controlar os pensamentos e manter sempre AMP - atitude mental positiva. É sempre aprender, e tentar compreender o outro. Tudo isso certamente vai contribuir para uma super vida, de superação, com propósito e significado. 

Mas se posso dar mais um conselho, também diria que é importante sempre ter em mente o poder do tempo. As pessoas super valorizam a própria percepção do tempo, sem perceber que é necessário construir um resultado ao longo de muitos anos de esforço! Investir 10.000 horas para a maestria!

Eu não sou (nem quero) ser perfeita. Bati muito a cabeça, errei demais e aprendo mais ainda quando erro. As coisas não acontecem de uma hora para a outra. Não existe sorte: existe trabalho. E tudo tem uma hora certa. 

Quando for o momento certo, certamente as oportunidades maravilhosas que você mesmo plantou e construiu para o seu caminho vão surgir, assim como surgiram pra mim. E você vai se superar também! É o meu desejo, de coração!

Como ser vivo


"Onde há flor, aflora luz", Mokiti Okada

Todos os dias eu procuro aprender uma coisa nova, e no sábado, aprendi um monte de coisas. Tivemos o almoço do Dia das Mães da Associação de Ex-Bolsistas do Gaimusho, e uma das atividades era o workshop de Ikebana, com as professoras Kazue e Emiko.

Primeiro, descobri que lisianthus (a flor do amor) é uma ótima substituta para a rosa, porque ela tem um perfume maravilhoso e dura mais do que a rosa. E as cravinas também são lindas! Outra coisa que aprendi é que ikebana é a arte das "flores vivas".

Gente, eu trabalho com cultura japonesa há mais de 20 anos e nunca tinha parado pra pensar no significado profundo da palavra Ikebana. A arte de respeitar as flores e mantê-las vivas, utilizando as técnicas corretas e o equilíbrio.

Extrapolando um pouco da questão da arte em si. Como podemos nos manter vivos? Como podemos manter um relacionamento vivo? São tantas questões lindas e profundas que podemos refletir, a partir de algo tão simples e luminoso, quanto um arranjo floral. A vida é linda e todos os dias são oportunidades de aprender e evoluir!