Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2018

We found love

Lógico que melhorei bastante nos últimos tempos, graças à infinita paciência dos meus amigos maravilhosos, que escutaram incansavelmente as minhas lamúrias e tristezas sobre o fim do relacionamento, me acolheram nas lágrimas e me ajudaram a refletir sobre todas as novas dúvidas que surgiram a partir dessa experiência triste.

Mesmo com todo apoio e suporte das pessoas que me amam, ainda sentia que faltava um “closure”, passar um remedinho no machucado, para cicatrizar e curar de vez o meu coração. Como para algumas perguntas eu não tinha resposta, fui perguntar pro meu terapeuta, o Fred Mattos (dica, assine o canal dele no Youtube!).

A minha dúvida era essencial para mim. Eu queria saber se eu sei o que é AMOR. Porque pensa bem, se apesar de tudo que estudei, li, vivi, sofri, superei, se eu AINDA não sei o que é amor, como eu vou ajudar as pessoas sendo coach?? Como vou construir um relacionamento saudável e maduro, sem saber definir se eu sei oque é amar?? Perai né!!

No meu coração, …

Mudanças no meu gosto musical

Quando me viu, a primeira coisa que o meu amigo me falou foi: Erika, para de escutar essas músicas deprê! Faz uma playlist bem animada e deixa de lado a Adele e a Amy Winehouse hahahahahaha...eu na verdade sei que a música influencia a nossa vibração e a nossa energia. E que somos feitos de energia, então, criei a nova playlist e estou nesse mood mais animado nos ultimos dias.

E realmente, depois que parei de escutar as musicas tristes e melancólicas, parece que a depressao e o desanimo que estava sentindo diminuiram bastante. Ainda estou meio tristinha, mas não só pelas coisas do coração. Para entender tudo que está acontecendo ao mesmo tempo, marquei uma horinha com meu terapeuta, o Fred, e sei que juntos, vou ressignificar tudo que anda acontecendo nos ultimos tempos na minha vida. Quando eu nao consigo resolver um problema sozinha, hoje, eu sei que preciso pedir ajuda. E essa é a hora.

Da minha playlist, tem algumas coisas engraçadas. O meu gosto musical sempre foi meio maluco, m…

Dançando novamente

Eu confesso que só estava indo nas aulas de salsa (cubana, ainda por cima) por causa do ex. E lógico, pra sair da minha zona de conforto extremamente confortável e de quebra, desenvolver uma nova habilidade motora.

Enfim, o romance acabou infelizmente, love is over, é claro que eu não iria continuar gastando meu rico dinheirinho numa dança pouco comum e que ainda por cima me lembra muito do falecido.

Então hoje eu fui na escola pra escolher um novo ritmo. As opções pra mim eram bachata ou foxtrot, e estava com a mente aberta.

Pra ser sincera, eu nem sabia oque era foxtrot. Quando o moço explicou que era dançando música do Frank Sinatra, o meu coração já bateu mais forte! ❤️❤️❤️

A aula começou e o primeiro passo que aprendi foi o “promenade”. E a música realmente é do Frank Sinatra e afins. Os passos são elegantes, sofisticados e tem muitos giros. A apresentação será com vestido longo...ou seja, senti que essa dança tem simplesmente tudo a ver comigo! Se eu fosse numa escola hoje esc…

Aprendendo a pedir ajuda

Uma coisa que eu nunca fui boa na minha vida é em pedir ajuda. Reconheço que era uma falha e uma falta da minha personalidade, porque desde criança, prefiro (tentar) resolver as minhas coisas e problemáticas sozinha, do que pedir ajuda. 
Segundo a minha coach, como nasci de "forceps", pra mim, qualquer tipo de ajuda dói, está marcado no meu inconsciente (e no meu rosto, pois tenho uma marquinha do nascimento). 
E realmente, quando pedia ajuda, me sentia diminuida e fraca. Preferia sofrer sozinha, e claro, sempre ajudar os outros (me mostrando inabalável para o mundo, mesmo que em caquinhos por dentro).
Dessa vez, nesse meu ultimo break up que me machucou demais, eu pedi ajuda pra todo mundo, fiquei chorando com os amigos, pedindo conselho, pedindo carinho, tentando entender o que deu errado e quais as lições eu podia aprender com esse relacionamento. Os meus amigos disseram de tudo, me aconselharam e inclusive, deram muitos insights que eu nao tinha pensado. 
E nesse proces…

Corrida de ratinhos

Esses dias retomei contato com minha coach. Eu tinha pausado unilateralmente o meu relacionamento com ela, pois ela tinha uma opiniao muito forte e desabonadora sobre meu ex: que eu deveria largá-lo imediatamente (hahahahaha).

Como eu não concordei, me afastei dela (e olhando em retrocesso, me ferrei hahahahaha). E passaram-se os meses, os anos, os namorados, as dores do amor e desamor...e eis que ela voltou a me telefonar, agora para pedir ajuda para alguns casos ligados à minha expertise (diga-se, cultura japonesa).

Eu achei o MÁXIMO voltar a falar com minha querida coach, agora na respeitosa condição de consultora. E voltamos a nos falar pelo whatsapp. Eu inclusive pedi para agendar uns horários de acompanhamento do status da minha vida, algo tipo uma avaliação periódica. E ela me passou o contato de um coachee (aluno) dela.

Muito engraçado perceber, mas tendo um pouquinho de contato com ele, eu relembrei o motivo de ter perdido o tesão de visitar a minha coach (sim, eu sou uma pe…

Sushi de sal

Quando nos despedimos, eu estava em um jantar, no balcao do sushi, e o itamae-san nao deve ter entendido porque eu estava com tantas lagrimas nos olhos. Foi o jantar mais triste da minha vida.

Percebi que eu te pedi desculpas e falei muito das minhas falhas, dos meus erros, não fiquei acusando você, mas você em nenhum momento considerou os seus erros, as suas falhas, as magoas que você me causou.

Se você tivesse tido um pouquinho mais de cuidado com os meus sentimentos e com o meu amor por voce, eu nao teria perdido a esperança e a paciencia, como perdi naquele dia. Entao eu poderia sim ter sido melhor com voce. Mas com certeza, você também poderia ter sido melhor comigo. Tenha consciência disso.

Para me despedir desse amor, lembrei do que o padre falou naquele velório. Para que estamos correndo como loucos atrás de coisas materiais, se o amor é que importa? Qual o sentido? A familia é o que temos de mais importante na vida. E eu adoro sua família. Se o seu amor por mim fosse verd…