Pular para o conteúdo principal

Sobre Erika Yamauti

Erika Yamauti nasceu em São Paulo, onde reside atualmente, e é sansei (neta de japoneses). Apesar de ter passado a infância e a adolescência sem contato próximo com a comunidade, construiu aos poucos uma ligação permanente com a cultura japonesa, desde que iniciou seus trabalhos voluntários na comunidade nikkei, em 1998.

Formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, e em Design de Fotografia Avançado, a jornalista atua também como assessora de imprensa (promovendo o relacionamento com outros jornalistas), e participa de projetos importantes da comunidade, como o Festival do Japão, o maior evento de cultura japonesa da América Latina, no qual colabora desde 2004 (e atualmente é uma das coordenadoras), e também a Aliança Cultural Brasil-Japão, a maior escola de língua japonesa da América Latina, na qual planeja e implementa as atividades de comunicação externa desde 2006.

Na sua trajetória profissional e voluntária, é necessário destacar a importante coordenação do setor de Imprensa na Comissão de Comunicação e Relações Públicas da Associação para Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. Erika Yamauti dedicou-se intensamente às comemorações de 2004 a 2008, liderando o case de atendimento aos jornalistas de todo Brasil e do mundo (como Al Jazeera, BBC de Londres, Reuters, Le Monde Diplomatique, etc) e superando desafios como planejamento editorial, reportagens, Boletim Centenário, atualização de sites, formação de equipes, planejamento de eventos e acompanhamento de centenas de jornalistas.

Em 2008, além de todas essas oportunidades, Erika Yamauti também promoveu o lançamento do livro ¨A História do Japão em Mangᨠe ¨Banzai – A História da Imigração Japonesa em Mangá¨, a turnê brasileira do Grupo Teatral 1980 e o Concerto Comemorativo do Centenário da Imigração Japonesa, realizado no Teatro Municipal de São Paulo. Tudo isso (e muito mais) neste ano inesquecível, que ficará para sempre no coração de todos que colaboraram ativamente nas comemorações.

Outra vertente interessante do trabalho de Erika Yamauti é a organização de eventos próprios, como o Bazar do Bem, realizado desde 2008 como iniciativa própria, para arrecadar recursos para entidades beneficentes, e projetos próprios, como a Agenda dos Seinenkais, que divulga as atividades da comunidade nikkei para o grande público.

A jornalista também prestou serviços de assessoria de imprensa para o Atelier de Cerâmica Hideko Honma, a Companhia de Dança Corpos Nômades e para a Fundação Japão em São Paulo. Na imprensa nikkei, é reporter da Rádio e TV Nikkey e foi colaboradora da revista Made in Japan e do site Hai-net. Também trabalhou na redação do Jornal Diário de São Paulo e na comunicação do Colégio Objetivo.

Quanto ao trabalho social, Erika Yamauti é voluntária da Assistência Social Dom José Gaspar (Ikoi-no-Sono), entidade localizada em Guarulhos, que presta assistência para idosos dependentes, desde a gestão 2006, prestando auxílio na divulgação da entidade, por meio da Internet (manutenção e criação do website) e também auxiliando nos eventos e projetos mantidos pela instituição. Auxilia outras entidades, como Kibo-no-Iê, Yassuragui Home, e Kodomo-no-Sono.

Foi presidente da Comissão de Jovens da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e Assistência Social (Seinen Bunkyo São Paulo), na gestão 2004. A entidade promove a cultura japonesa para a sociedade brasileira, oferecendo projetos e eventos culturais. O Seinen Bunkyo foi a primeira entidade da qual a jornalista participou como voluntária, em 1998, e na qual construiu grande parte de sua rede de contatos. Além disso, foi assessora de imprensa do Bunkyo e atuou em diversas comissões, como Gueinosai, Bunka Matsuri e Comunicação.

Considerada uma profissional competente, plena de recursos e com amplo conhecimento da cultura japonesa, Erika Yamauti tem se destacado no cenário atual da comunidade, sem deixar de lado a humildade e a prática de ajudar quem mais precisa de apoio, sempre com ética e dignidade.

Contatos: 

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…