Pular para o conteúdo principal

Matsuri Night & Erikittty em rede nacional

Hoje acordei beeeem tarde, já que era feriado, e fui dar a minha entrevista para a TV Band, no metrô Brás. A reporter foi a Ticiane, da Bahia, que chegou em SP há uns dois meses. E eles chegaram antes da hora marcada, o que é uma raridade, pra se falar em termos de jornalistas.

E ela falou que na Bahia, vc nao vê comunidade de japoneses, de italianos, ou espanhois, ou eslovenos. Lá, é tudo uma coisa só: baiano. E que ela acha essa diversidade aqui de SP muito bacana. E se a gente parar pra pensar, é verdade!! É muito legal mesmo!!

Entao, dei a minha entrevista falando sobre o Centenario da Imigracao, 98 anos, comunidade nikkey, etc. E ficamos esperando o Hide, pra ele dar entrevista tambem. Mas ele acabou se atrasando, e nao deu pra gravar a entrevista. Acabou saindo só a minha entrevista, e o Osmar, do metro, avisou que vai sair a materia hoje a noite, em rede nacional, no Jornal da Band!! Mas já é quase 1 hora da matina, e nada!! chuif chuif...=)

Aí o pessoal da Band foi embora, o Hide chegou, ficamos vendo as fotos, e depois tentamos tirar uma foto, né?? Dai veio uma moça pra avisar a gente que tinha um cara "secando" as nossas cameras (que horror, né! e isso na frente dos guardas do metro), e que era pra gente tomar cuidado. E vimos que realmente, o cara era 1/2 estranho. Entao paramos de tirar fotos (a unica boa está lá em cima).

Fomos embora, e eu fui direto pro Bunkyo, pegar o micro-onibus pro Nippon, no Arujá (Matsuri Night). Foi super bacana. O motorista era bonzinho. Sobrou bastante lugar. E uma gafe cometida: nao percebi que o sr. Watanabe, um dos passageiros do onibus, era nada mais, nada menos, que o novo diretor da Jetro no Brasil!! Sugoi!!

Chegando lá no Matsuri Night, fiquei recebendo a imprensa, coisa simples, bastante tempo livre. Tomei oshiruko, comi churrasco (hummm), e comprei amazake (saque doce), mas simplesmente odiei!! Quem tomou foi o Baiten. A barraca do Ikoi-no-Sono, com udon, fez o maior sucesso. Fila quilometrica!! E teve um show muito bacana da Banda Pop!. E a Naomi, vocalista do grupo, fez a ultima apresentacao dela hoje. E ela cantou First Love, da Utada. Hoje, essa musica me faz ficar triste.

Pela 1a vez, contei pras pessoas que eu estou oficialmente solteira. Por ex, uma das pessoas que eu mais respeito, o Carlos, perguntou pra mim onde estava meu namorado, e eu respondi: a gente terminou semana passada. E ele respondeu: "ah, Erika, nao fica triste nao. Faz parte da vida. Eu terminei um casamento de mais de 20 anos. Sao coisas da vida". É isso mesmo, a vida é assim. Bola pra frente.

O pessoal do ISHIN dançou Matsuri Dance, foi super bacana, o publico se empolgou com a historia do restaurante e do garçom. E depois, teve uma queima de fogos linda, linda, linda, muito parecido com o que tem nos hanabis do Nihon. Inclusive com o friiiiiiio do Nihon. O Baiten estava comigo, e tirou fotos. Espero que fiquem boas. Tb conversei bastante com o Mazeh sobre Festival.

Na volta, no microonibus, Matsuo-san sentou comigo e conversamos bastante, durante toda a viagem de volta pra SP. Fui bem clara, expus o que estava sentindo, e ele respondeu com fatos. Entendi os motivos dos diretores, eles realmente tem motivo nas reclamacoes deles. Acho que o unico caminho é buscar um entendimento mutuo. Vamos torcer. Bjs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…