terça-feira, setembro 26, 2006

Alegria na Festa do Verde!!

No domingo, eu e muitos voluntários intrépidos fomos ajudar na Festa do Verde, que ajuda a manter a Casa da Esperança – Kibo-no-Iê, entidade que presta auxílio para deficientes físicos e mentais, lá em Itaquaquecetuba. Foi um dia chuvoso e meio cinzento, como eu nunca tinha visto em Festas do Verde. Mas deu tudo muito certo...e foi super legal ajudar...como sempre!! ^.^

Bom, fiquei vendendo cartelas de bingo, coisa que eu adoro, simplesmente a-do-ro fazer!! Cá entre nós, prefiro vender cartelinha do que coordenar bingo. É uma espécie de terapia mental pra mim. Especialmente prazeroso quando eu vendo cartelinhas premiadas, o que não foi o caso dessa vez (hehe), mas eu tentei, juro que tentei!! Todos trabalharam com muito amor e empenho. O pessoal achou meio caro (R$ 2 a cartelinha), mas isso fica como lição pro ano que vem, né?

Pro almoço, veio um prato de peão que os gentis escoteiros trouxeram pra gente. Apesar da correria das rodadas, deu tempo de passear na área próxima do bingo, ver as barraquinhas da parte de frutas e verduras, e ver as flores e a barraquinha da corrida dos hamsters, uma gracinha!! =)

E comi muito bem pra ter bastante energia: sanduíche de calabresa, espetinho de frango, churros, morango com chocolate e o PF dos voluntarios. Fiz uma volta quase completa no evento, só não vi o Bazar da Pechincha (snif) e as barracas do lado do palco (chuif) e os shows (snif). Pena que tivemos que ir embora mais cedo. Mas compramos umas florzinhas da Aflord, e um monte de sonhos deliciosos, e também laranja pêra – um pacotão por R$ 1.

Depois de um dia como esse, você chega em casa cansado, sujo e cheio de poeira, mas tambem FELIZ, realizado, pleno de felicidade, radiante. Você vai dormir com um sorriso no rosto, com a alma feliz, repleta de amor pelo próximo, amor pela humanidade. E eu tenho uma teoria meio estranha pra explicar por que a gente se sente tão bem ajudando os outros. E alias, se você não ajuda alguém ou alguma entidade, precisa experimentar antes, pra entender do que estou falando.

Acho que o mais legal do trabalho voluntário é encontrar pessoas que tem a mesma energia que a gente. Não estou nem falando em “energia positiva”, mas energia de alma mesmo. Sinergia de sentimentos, ideais, sonhos e aspirações.

Conviver com pessoas que acreditam e trabalham por um mundo melhor faz com que esse mundo pareça mais próximo, mais possível, menos utópico. Nesse mundo tão maluco e amoral, repleto de dossiês sórdidos e desculpas insípidas, é a força das pessoas de bem que vai virar o jogo. Como dizia Gandhi, "O amor é a força mais abstrata, e também a mais potente, que há no mundo.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário