Pular para o conteúdo principal

Argofuckyourself!!

Fui assistir Argo num cinema muuuuuuuuuuuito chique (e caríssimo) no Shopping JK, o Cinépolis. As poltronas são de couro, confortaveis, reclináveis e pra ter ideia do nivel rico do lugar, dá pra pedir sushi boat enquanto voce está assistindo o filme. Ou seja, é uma experiencia super hiper vip (e no meu caso, provavelmente única haha).

O filme (baseado em história real) se passa em 1979, no Irã, e conta a história de um grupo de 6 diplomatas americanos que estão refugiados na casa do embaixador canadense, por meses e meses. Mas a situação é muito arriscada e eles precisam ser resgatados rapidamente, daí entra o personagem do Ben Affleck, que é o Tony Mendez, que inventa um filme de Hollywood para poder resgatar esses diplomatas. 

Ele conta com a ajuda do maquiador Michael Chambers e do produtor Lester Siegel pra criar o filme falso, que é uma ficção cientifica chamada Argo. E o Mendez vai para o Irã nessa missão praticamente suicida, muito perigosa, sendo a única chance para resgatar essas seis pessoas. 

Além do filme ser muito interessante, ele tem ritmo, é inteligente e coloca várias questões morais para refletir. Em determinado momento, o Mendez é proibido de continuar sua missão. Ele recebe ordens para abandonar as pessoas que prometeu proteger. Só que aí ele reflete sobre a responsabilidade dele com essas pessoas. E arrisca, sabendo de tudo que pode dar errado, porque ele se comprometeu com essas pessoas, que acreditaram nele. 

Enfim, teria sido muito fácil para ele cumprir sua obrigação, resignar-se, fazer as malas e ir embora, e é algo que muitas pessoas fariam, considerando o risco suicida e louco dessa missão. Ele tem família, ele tem um filho que ele ama, mas aquelas pessoas dependem dele naquele momento. A questão que o Ben Affleck coloca no filme é a nossa responsabilidade pessoal, o poder das nossas próprias escolhas. Essa é a principal força das pessoas que fazem a diferença no mundo, que movem esse mundo pra frente. Bjs! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…