Pular para o conteúdo principal

With a little help from my friends

Tem algo que preciso confessar: eu sou uma pessoa que nao gosta de pedir ajuda. Sou muito, muito, muito orgulhosa. Esse é um dos meus defeitos, junto com a preguiça e o excesso de confiança nas pessoas. Sempre vou procurar resolver meus problemas sozinha, sem incomodar ninguém. Alias, se eu te incomodar e pedir ajuda, é porque realmente já tentei algumas vezes e nao consegui resolver sozinha hahaha....

O mais engraçado é que sinto que as pessoas gostam de me ajudar. Acho que porque eu gosto de ajudar os outros, o universo me coloca numa vibe assim, em que a ajuda aparece dos lugares e das pessoas menos prováveis. Tipo um karma do bem. Por exemplo, tem um projeto que eu estava quebrando a cabeça, perdendo o sono, me esforçando ao máximo e obtendo resultados pífios.

Tive uma reunião com o moço, fui bastante sincera ao dizer que estava tendo dificuldades. Ele simplesmente pegou o que ele tinha, colocou no meu pen drive, e com isso, "meus problemas acabaram" hahaha e ele disse que ainda vai melhorar mais o arquivo, só pra ajudar mais. Puxa vida! Conquistei mais um aliado rsrsrsr.

Alias, acho que nesse ponto eu realmente tenho uma habilidade que é diferenciada, de construir equipes, formar uma rede de pessoas que colaboram entre si, inspirar os corações das pessoas. Lógico, isso é resultado direto de todo treinamento que tive no seinen. A gente acaba enxergando coisas que passam despercebidas para outras pessoas. Nao sou uma lider perfeita, Deus sabe o quanto eu erro, mas sempre que eu erro, é tentando acertar.

De qualquer maneira, continuo não gostando de pedir ajuda, tenho essa crença distorcida de que sou uma pessoa verdadeiramente auto-suficiente, mas agora quando preciso, nao reluto mais. Afinal, eu estou no meu direito de solicitar ajuda, e a pessoa está no direito de aceitar ou recusar. Eu não sei tudo sobre o mundo e nao tenho condições de saber tudo, por isso reconheço humildemente que ainda preciso aprender muito mais. Conto com meus amigos e amigas pra me ensinarem quando preciso! Bjs.

Comentários

  1. Também sou um pouco assim. Não costumo pedir ajuda (até porque, as vezes realmente não existe ninguém para nos ajudar)... Mas sei lá, é o meu jeito mesmo. Não fico pedindo ajuda, mas se eu erro com algo, eu assumo 100% do meu erro.

    Não sei bem se isso é bom, não sei se é ruim, mas já sou assim desde criança. - Sempre tive aquela coisa de ter que me virar por conta própria, e acho que isso acabou se fincando na minha personalidade.

    Até para trabalhar em grupo, as vezes tenho bastante dificuldade com isso (não que eu seja uma pessoa difícil, mas geralmente, gosto de fazer as coisas ao meu próprio modo).

    Talvez até por isso que eu trabalhe como freelancer, sendo sempre o dono do meu próprio nariz (apesar que isso também é uma faca de dois gumes)... Pois fazer parte de algo, fazer parte de um todo, ter amigos e companheiros de trabalho, também deve ser algo bom e positivo.

    Até mesmo nas horas de dificuldades, como você mesma citou no teu texto...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…