Pular para o conteúdo principal

No hablo mandarin!!

Essa semana passei uma situação engraçada no restaurante chinês. Inventei de ir num daqueles restaurantes em que não tem ninguém que fala português (sabe aqueles da Liberdade que você tem até medo de entrar?? Que só tem chineses como fregueses?? Que só tem cardapio em chinês ou em português meio maluco??).

Pois é, eu achei, realmente achei que dava pra fazer alguma coisa com o que eu teoricamente aprendi no curso, mas descobri que o meu nivel de mandarim nao é suficiente nem pra pedir refrigerante!! Hahahaha!! Só disse boa tarde e olhe lá. De resto, tudo incompreensivel, falam muito rápido, minha pronuncia é muito ruim, ou sou muito lerda rsrsrsrs...pior que tenho prova terça-feira (#comofaz??).

Chegou uma hora que eu precisei pedir pra ver fotos dos pratos para escolher. E pra lembrar a palavra "foto"? E pra atendente me entender? Mimica! hahaha...ainda bem que tinha um painel com algumas fotos na frente do restaurante entao ela me levou lá e pedi o "Pato de Pequim" (sinceramente, não gostei kkkk). Nunca tinha comido pato na vida, tem uma cor mais escura que frango e eu achei meio seco/sem graça...mas foi bom como experiencia (pra não repetir hahahaha)!!

Da proxima vez vou pedir ajuda pro meu laoshí (professor) ou algum amigo descendente de chineses, porque é muito ruim chegar num restaurante e nao entender nada!! hahahaha. Bjs!

Comentários

  1. Tuas desventuras no restaurante chinês, me fazem lembrar de uma experiência parecida...

    Bom, isso já tem pra mais de uma década (quase duas na verdade), mas me recordo como se fosse ontem!

    Estava lá eu no bairro da Saúde (em São Paulo, em uma visita a um conhecido), e eis que fomos almoçar em um dos muitos restaurantes chineses típicos do bairro.

    Para pedir a comida foi fácil, pois a atendente falava bem o português. - Meu "mico" foi mesmo na hora de pegar o copo para tomar um chá (logo apoós a refeição).

    Enquanto meu amigo terminava a sobremesa, me levantei e fui até o balcão para tomar o chá... Mas cadê os copos? Olhei para um lado, olhei para o outro, e nada de achar copo algum!

    Então perguntei (ou pelo menos tentei) para o senhor do balcão, onde que ficavam os copos, e ele disse algo (em mandarim), e apontou para um canto do balcão (bem ao fundo, perto da cozinha).

    Então fui até lá, e olhando para a lateral, ví pilhas e mais pilhas de copos mergulhados em um recipiente com água.

    E na minha inocência, pensei que fosse aquilo (mesmo achando estranho, e meio nojento, ter que pegar um daqueles copos)... Fiquei pensando "mas todo mundo deve por a mão aqui, que nojo!", mas mesmo assim, pra não fazer feio, resolvi assumir o risco.

    O problema é que aqueles copos "não eram" os copos pra se tomar o chá... Aquele recipiente na verdade, era onde os copos eram higienizados (com água fervente!).

    E sim, o esperto aqui mergulhou a mão na água a mais de 80 graus! (E essa foi minha sorte, pois o recipiente ainda não havia chegado nos 100ºC).

    Resumindo, o que o senhor do balcão me disse, era que os copos estavam sendo esterelizados, e que era pra eu aguardar um pouquinho mais.

    Fazer o que, não é mesmo? Só depois de estar com a mão devidamente queimada, que acabei recebendo a ajuda da mocinha do atendimento (que na hora, estava servindo uma outra mesa).

    Pois é, coisas da vida!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Presos na gaiola

Acabei de ler 2 vezes o livro da Mirian Goldenberg. Muitas reflexoes e inspiração para escrever alguns posts. No livro, a Mirian fala do sociólogo Zygmunt Bauman, para quem existem dois valores absolutamente indispensáveis para uma vida feliz: segurança e liberdade. Segurança sem liberdade é escravidão. Liberdade sem segurança é o caos.


A questão é, como nós, brasileiros, podemos nos sujeitar a viver sem segurança nem liberdade? Esses dias fiquei em Gramado, que é o destino turístico mais seguro do Brasil. Faz muitos anos que nao sentia essa sensação tão maravilhosa e reconfortante de plena segurança. Muita felicidade.


Poder andar na rua tranqüilamente, livre, de dia, de noite, de madrugada, sabendo que nada de ruim pode te acontecer. Tendo a sensação de que tudo está seguro e tranquilo. Sabendo que voce pode ir e voltar para o hotel a pé, sempre em segurança.


O valor disso é incalculável, e os cidadãos de Gramado se orgulham muito de terem uma cidade segura. Pelo que me falaram, qu…

Circularidades

Passei mais de dois anos sem atualizar esse blog, não sei exatamente o motivo, mas sempre sentia vontade de voltar a postar. Quando leio meus posts antigos, posso perceber claramente o quanto eu cresci e me desenvolvi em todos os sentidos nesses anos de distância. E acho que isso é o mais bacana de mantermos um blog: poder elaborar um registro do que a gente pensa e sente, ao longo de muitos e muitos anos. Tenho até vergonha de alguns posts muito bobinhos, mas no geral, esse blog refletiu como eu penso e como me movimento no mundo.
A vida anda muito completa e feliz para mim em todos os campos: pessoal, profissional, emocional, familiar, espiritual, amoroso, enfim, acredito que consegui alcançar um equilíbrio muito buscado. Continuo trabalhando pra caramba como sempre, mas refletindo comigo mesma, creio que sempre fui assim e sempre serei. Gosto mesmo de trabalhar e de me envolver em diversos projetos ao mesmo tempo! Agradeço ao universo por ter permitido tanta felicidade e coisa boa…

Reuniao com tubarão

Eu sou uma pessoa muito meticulosa, pratica e organizada. Quer que eu odeie uma pessoa, mesmo que seja só um pouquinho? Simples, é só essa querida pessoa marcar uma reunião comigo de ultima hora, no mesmo dia. Porque a minha agenda é TODA feita com antecedência, eu planejo minha semana, planejo cada dia e o que vou cumprir em cada dia em termos de metas e objetivos. Gosto de dar um "check" nas tarefas cumpridas no fim do dia. Sou assim: sou planejadora. Tenho plano A, B e C pra tudo.
Nesse cenário tao perfeitamente calculado, um compromisso de ultima hora altera toda minha rotina mental, e daí, acabo extremamente irritada. Entao se eu for realmente obrigada a ir em uma reuniao assim (sim, porque meu mundo não é cor de rosa, e assim como vc, tenho que engolir um monte de sapos), eu vou sair com pedras na mão, irritada, seca e nada disposta para uma negociação. 
Esse mês tive uma reuniao assim. Eu fui lá praticamente obrigada. E foi uma ocasião bem ridícula, pq a pessoa só chamo…