terça-feira, janeiro 28, 2014

Carta aberta de um coração remendado

Hoje, meses depois, admito. Estava muito dificil, dolorido demais, truncado. Precisava mesmo te esquecer. Ao mesmo tempo, sentia muita alegria, leveza, felicidade extrema. Paradoxo. Como pode algo ser tao bom e tão ruim ao mesmo tempo? Não tive escolha, resolvi deixar voce para trás. O passado passou e nao volta mais.


O sentimento que transbordava no meu coração era muito bom, mas ao mesmo tempo, me massacrava por dentro. Destruía meu bem estar, me deixava sem referencia, sem norte, sem rumo. Eu nao podia deixar esse barco correr solto no mar. Precisava retomar meu caminho.


Na minha vida, sempre tentei ter o "controle" de tudo. Virginiano é higienista, racional, pratico, metódico. Que eu me lembre, essa foi a primeira vez em que eu conscientemente me libertei das amarras, apostei todas as minhas fichas no sentimento, na emoção. All in, confiei nas minhas cartas, mas infelizmente, perdi a aposta. Perdi voce.


Tenho orgulho de dizer que eu tentei absolutamente de tudo. E voce voltou a conviver com as pessoas vazias que te rodeiam, viver a vida que voce escolheu. E eu aprendi muito. Aprendi a trabalhar sentimentos menos nobres, como magoa, frustração, raiva. Aprendi que tudo tem um motivo, e mesmo a tristeza traz uma lição importante.


Descobri a alquimia do sentimento. Transformar o que te machuca em força. Dessa maneira, pude acumular conhecimentos e me preparar para a proxima. É jogando que se aprende a jogar. E é amando que se aprende a amar. Perdoando, se aprende a esquecer. E eu esqueci. Adeus a voce, que tambem me esqueceu. Bjs.

 

Um comentário: