quarta-feira, novembro 19, 2014

Super-estressada??

Esses últimos meses tenho me esforçado muito...pra viver! Tenho viajado, passeado, estudado e me divertido bastante. Estou levando uma vida mais zen. Estou me esforçando seriamente na busca de uma vida mais bacana. Por isso, nao entendi até agora oque aconteceu...

Tomava café tranquilamente com a P (sendo que ela ficava me inquirindo sobre o meu mau humor, que na verdade era só uma TPM bem braba). De repente, falei pra P: "sabe, estou sentindo um incomodo no pescoço". Isso era à tarde. De noite, eu ja nao conseguia mais virar o pescoço! Na manha seguinte, eu não consegui levantar direito! Muito estranho: o meu corpo não parecia realmente meu! 

Ainda fui teimosa por mais dois dias, suportando uma dor insuportável, com o agradável aroma do Salompas empestando minhas lindas roupas, e sendo uma bruxinha malvada com todos os (pobres coitados) que me rodeiam. Parecia um bichinho encurralado na toca. Sabe aquele cachorrinho machucado, que fica tentando morder pq sente dor?? Era eu!! Por fim, não aguentei e fui procurar socorro com o S. Diagnostico: estresse. Fala serio??? Serio mesmo???

Gente, eu sou uma pessoa que sobreviveu a 4 anos de Centenário! E também a 10 Festivais do Japão! E muuuuuuuuito mais coisa bacana e difícil. Pra mim, é um mistério surpreendente. Como algo assim, tão grave, pode ter acontecido em um momento de baixo estresse?? Esclareço que estou acostumada com um nível de estresse moderado na minha vida diária, então o ritmo de agora, na verdade, não considero puxado!

Dai, o S me explicou que o estresse se acumula na mente, e chega um dia em que o corpo simplesmente não agüenta mais. Portanto, por mais forte e estruturada que eu me considere, não sou a mulher-maravilha. Trabalhar cuidando de três clientes, estudar japonês, mandarim e espanhol e fazer as coisas do meu dia a dia está muito puxado. Ainda de acordo com o S, eu não posso ficar me cobrando (já fui beeeeeeeeem pior), preciso perdoar (perdôo sempre) e esvaziar a mente (hahahaha esse é mais difícil)!

O tratamento requeriu três sessões de técnicas muito engenhosas de massagem, produzindo ruidosos estalos na minha coluna - experiência inédita na minha vida. Confesso que foi complicado cumprir o período de descanso moderado que ele me propôs. Ficar sem mexer no computador, sem fazer lição e sem anotar as coisas no caderno, foi muito ruim pra mim! Por outro lado, coisas legais acontecem! Refleti sobre os motivos que me levaram a essa dificuldade e agora estou bem, e isso que importa! Agora estou curada e retornando ao meu ritmo normal (e estressado) de vida! Bjs!