sábado, julho 02, 2011

Lealdade

Pleno sabado a tarde, acordei (atrasada) as 8 da manhã pra trabalhar no evento, peguei táxi pq nao ia dar tempo de chegar de metrô, trabalhei bastante, comi depois do evento e cá estou eu, 14 hs da tarde de sábado, sozinha no escritório. Inclusive, provavelmente estou sozinha trabalhando neste andar. Essa é a vida de organizar um lindo e maravilhoso evento. E olha que eu nem aproveito o próprio evento que organizamos ho ho ho...

Esses dias nao tenho tempo pra fazer exercicio, mas pelo menos tento andar um pouco de um escritorio pro outro, senao vou ter um piripaque nervoso. E nesses pequenos passeios, sempre vejo uma senhorazinha que mora na rua, junto com seus cachorros. Desde que eu morava aqui no bairro, acho que desde que eu fazia faculdade eu lembro dessa velhinha andando pelas ruas do bairro, com seus cachorrinhos.

Cachorro é um animal fantastico, né? Ele nao quer saber quem você é, o que você é, se você tem roupas bacanas, quanto você tem no banco. Ele decide que te ama e PRONTO, simples assim. Seja você quem for, seu cachorrinho sempre vai te amar. Bom, essa velhinha tinha uns 4 cachorrinhos. Eles eram companheiros dela na rua. Daí diminuiu pra 3. Depois, vi ela com dois cachorrinhos. Da ultima vez, ela estava sozinha, semana passada mesmo.

Nossa, o meu coração ficou pequenininho quando eu vi ela, toda encolhidinha, sentada num banco feito de caixa de madeira, sozinha na rua, jogada num canto. Cade os cachorros da senhorinha? O que aconteceu? Será que levaram os cachorrinhos dela? Será que morreram? Será que alguém pegou? Será que alguém está tomando conta deles pra ela? A solidão mais dificil deve ser essa. Ter um companheiro e de repente, ficar totalmente sozinho. E ninguem se importar com isso.

E eu sou uma pessoa tao besta e tão ocupada, que ao invés de fazer alguma coisa pela velhinha, vim trabalhar porque estava atrasada. E sei lá, centenas de pessoas devem passar por ela todos os dias. Alguem fez alguma coisa por ela nesse tempo todo, nesses anos e anos que eu a vejo? Nao. Eu admito, nao fiz nada por ela. Ela vive como se fosse um ser invisivel, nessa psicopatia insana que vivemos todos os dias no Brasil.

Eu sinto que a gente falha com cada criança que está na rua. Cada velhinho que está morando na rua, passando frio nesse inverno horrivel. Eu sei que não dá pra resolver os problemas do mundo, mas é tudo muito injusto. Nessas horas eu penso: todo o bem que eu tento fazer pelo mundo, será que algum dia ele vai chegar nessa velhinha?? Será que o bem que eu tento fazer é o bem que o mundo realmente precisa? Porque faz anos e anos que ajudo a comunidade nikkei. Vi alguma melhora no mundo? São questoes que realmente me fazem pensar. Mas agora, infelizmente, tenho que voltar ao trabalho. Bjs.