Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

Lágrimas e chuva

Hoje foi um dia particularmente difícil pra mim. Precisava ir em uma missa de 49 dias e ando meio emotiva com essas coisas, por causa das fotos antigas do Seinen que andei mexendo e reflexões que tenho feito. Ainda bem que encontrei meus amigos por lá, e o pessoal do movi também, então foi tudo mais suave do que imaginava...
A missa reuniu muita gente e começou pontualmente. A gente chegou meio atrasado por causa da chuva forte que começou a cair sem aviso, no exato momento marcado para o inicio da missa. O barulho das gotas de chuva me fez pensar em lagrimas. Tomamos um pouco de chuva, mas sinceramente eu nao ligo muito (porque adoro chuva).
Enfim, sou realmente péssima para confortar as pessoas, porque não consegui realizar a homenagem que tínhamos pensado, e as palavras me faltam pra explicar o quanto essa amiga foi querida e importante na minha vida (e eu não consegui dizer isso pra ela). As minhas lagrimas não foram derramadas, porque eu sei que ela está bem e em paz. Isso que impo…

Viciada (em franca recuperação)

Trabalho sempre foi um vicio gostoso pra mim (=virginiana). Trabalho remunerado, trabalho voluntário, tanto faz! Eu vivi assim por muitos anos, lembro inclusive de épocas em que tinha 2 empregos, ajudava no seinen e ainda estava na faculdade! Era uma pessoa um tanto estressada e me arrastava no metrô, dormia no ônibus, esquecia coisas e era muito chata. 
Ou seja, eu vivia completamente exaurida, e talvez me ocupasse tanto justamente para não ter que pensar na minha vida, refletir se aquilo estava me trazendo felicidade. Algumas pessoas são viciadas em drogas, outras em cigarro ou bebidas. O meu vicio, no trabalho, é mais simples e fácil de resolver. Hoje posso me considerar (quase) totalmente recuperada.
Eu digo "quase" porque imagina a cena: uma sexta feira, as 19:00 eu estava no escritório sozinha respondendo email, marcando reunião e anotando pendências da semana que vem, organizando minha agenda. E nisso recebi uma resposta do meu amigo (mais workaholic que eu). E pensei, …

Troublemaker!

A vida é muito engraçada. Os meninos me falaram de uma pessoa chata, disfuncional, prepotente, que causa problemas por onde passa, cultiva inimizades e se desentende com tudo e todos. Ninguem gosta dele(a), ou seja, trata-se de uma pessoa bem difícil (e olha que nós estamos acostumados a lidar com casos disfuncionais kkkkk). O dilema coletivo? Ele(a) tinha se inscrito pra ser voluntaria(o) no evento do fds. #comofaz?
Perguntinha básica: oque leva uma pessoa em sã consciência a freqüentar um lugar no qual as pessoas não gostam dela, ainda mais pra fazer trabalho voluntário? Será uma tendência masoquista? Será uma absoluta falta de simancol? Talvez falta do que fazer? De qualquer maneira, o jeito foi torcer pelo melhor e seguir em frente!
Eu tinha uma leve impressão de que eu conhecia essa pessoa (oque se confirmou mais tarde). O mais irônico, é que eu tinha uma boa impressão (kkkkkk eu sempre espero o melhor dos outros), mas é porque nunca trabalhamos juntos, temos convívio direto durant…

A solidão nossa de cada dia

Sabe quando você está no meio de uma multidão, e mesmo assim se sente sozinho? De vez em quando, eu ainda sentia isso (hoje é muito raro). Estava conversando com meus amigos no Frans e falamos de um colega nosso, que segundo a opinião deles, é uma pessoa muito solitária, e eu nao tinha pensado a respeito. Na hora, pensei que gosto de ficar comigo mesma, e nao sou uma pessoa deprimida...muito pelo contrario!
Hoje, eu realmente considero que sou a melhor companhia que existe pra mim nesse mundo todo. Quando me permito ficar sozinha, me sinto bem feliz, tranquila, completa. Posso viver dias relaxantes, refletindo sobre a vida, organizando minhas idéias, criando planos mirabolantes. Aprendi a valorizar esses momentos preciosos de reflexão e crescimento. Lógico, eu busco alguém para compartilhar minha vida, mas nao aceito mais anular quem eu sou, para agradar outra pessoa.
Assisti ao filme "Ela", que é a historia de um escritor que vive de escrever cartas para outras pessoas (eis u…

Porque o mundo não precisa gostar de mim

"Olha Erika, nao sei o que aconteceu, mas aquele cara realmente não gosta de você". Esse foi o inicio de uma conversa + reuniaozinha que tive há uns dias. O engraçado é que não me importo (mais) se as pessoas gostam ou nao de mim, mas eu acho que sei exatamente oque aconteceu. Esse "cara" que nao gosta de mim, na verdade, gosta (muito) de mim (talvez até inconscientemente), mas a raiva que ele sente por mim, vem do fato de eu não sentir raiva dele. Porque eu não sinto raiva de ninguém. 
Felizmente, graças aos caminhos que escolhi, estou num estagio espiritual mais elevado que a maioria das pessoas, não guardo rancor, magoa, ressentimento, não carrego bagagem pesada. Não estou dizendo que sou uma mini-Dalai Lama, mas eu consigo me desapegar das coisas ruins que me acontecem, muito fácil e rapido. Nao fico remoendo coisas passadas ou futuras, nao rebato, ando desarmada. Então a pessoa pode (tentar) fazer mal pra mim, mas nao vou carregar isso no meu coração, pq isso e…

Block total

Hoje vieram reclamar comigo. Meu amigo me viu no restaurante e eu nem percebi e nao fui cumprimentar. Em resumo, fui chamada de arrogante hahahaha pq eu estava tão entretida com meu "date", que nao percebi que eles estavam sentados atras de mim. E que isso já aconteceu algumas vezes antes! Comprovando o que já sabia. Distração, seu nome é Erika!
Eu realmente ando muito distraída na rua e nos lugares. Se bem que é uma distração diferente, é uma espécie de concentração focada em mim, com o claro objetivo de ignorar os outros. Isso faz parte de todo um treinamento especial pra ignorar muita coisa na rua. Especialmente babacas idiotas estúpidos, que vem falar besteira pra mim. 
Estava vendo livros na Livraria Cultura, tranqüilamente, sem incomodar ninguem, e um cara vem e se aproxima e pergunta. "Voce está ocupada? Posso falar com vc?". Eu estava ocupada de verdade (trocando msg com meu date kkkk) então falei que infelizmente, nao dava pra conversar. Voce acha que ele se…

A história de uma avó e sua neta

Esses dias estava procurando umas musicas novas para cantar (e encantar) no karaoke, e acabei me deparando de novo com essa musica: "Toire no Kamisama", da Kana Uemura. É uma canção linda, mas que eu nunca consigo escutar até o final. Sempre choro. Demais. Muito mesmo. Nessas horas, confesso que gostaria de não entender japones, porque daí eu nao choraria tanto e talvez até conseguisse cantar essa musica...
A canção fala muito lindamente da historia de amor entre uma avó e sua netinha. A batian cuida da neta na infância, ensina tudo que sabe sobre a vida para a menininha. Elas sao felizes juntas. Daí o tempo passa e chega a adolescência, aquela época da vida em que a maioria de nós vira monstro e fica insuportavel, e a menina acaba se afastando da batian. 
Ela então fica longe, vive sua vida, até que chega a noticia que a batian foi internada, e a neta vai visitar. No dia seguinte, a batian morre, como se estivesse só esperando essa visita pra poder ir embora. E a neta entao p…

O dia mais triste

Com certeza, na minha vida, o dia mais triste que vivi até hoje foi 11 de março de 2011. Naquele dia tão trágico, eu e toda humanidade sofremos por pessoas que não conhecemos e nunca vamos conhecer. Crianças, jovens, adultos, tantas vidas foram perdidas e afetadas pelo terremoto seguido de tsunami, com efeitos que ainda vão influenciar o Japão por muitos anos. É algo assustador. 
Todos os dias, quando acordamos de manhã, temos a ilusão de que controlamos a nossa existência. É um sentimento basicamente humano. Porque se formos parar pra pensar, ninguém controla o destino. Ninguém controla a natureza. Somos imensidão, e ao mesmo tempo, somos grão de areia. Um paradoxo interessante. 
Naquele dia, eu acordei meio atrasada (como sempre), nao vi as notícias, e fui correndo trabalhar. Foi só entrar no prédio que percebi que algo estava errado. E quando olhei as noticias, nao pude acreditar que aquela tragédia tinha acontecido no Japão. Quando vi aquelas imagens, fiquei meio entorpecida, incréd…